domingo, 11 de abril de 2021

[4836] Academia Cabo-Verdiana de Letras homenageia escritora Fátima Bettencourt

 Ver AQUI

[4835] O drama de outra São Vicente (Saint Vincent and the Grenadines) e, como sempre, com alguém ligado a Portugal pelo meio, desta feita um 1.º ministro, Ralph Gonsalves

 Ver AQUI

[4834] Livro viajante: "O menino da mata e o seu cão Piloto"

O livrinho foi um dos primeiros que o dono do Pd'B leu, coisa antiga, de família, embora não conste que nela houvesse frequentadores de igrejas evangélicas - isto, sem qualquer desprimor para as ditas, que as há bem respeitáveis. "O menino da mata e o seu cão Piloto", de autor anónimo, lá foi na bagagem até Cabo Verde e voltou, desapareceu da circulação durante décadas e hoje foi reencontrado no meio de papelada diversa que estava a ser arrumada. Descobrimos então que ele também era vendido na nossa ilha, o que não deixa de ter a sua piada. É até possível que algum/s dos nossos amigos cabo-verdianos tenha/m um lá em casa, igualmente esquecido. Este, reapareceu!

[4833] Cesária Évora, no Festival de Jazz de Lugano 2007 (concerto completo)

[4832] Batida básica da Morna de Cabo Verde. Aprendam!...

sábado, 10 de abril de 2021

[4831] Baobá na ilha de Santiago (imagem antiga - este conjunto ainda existirá?)

Imagem e explicação cedidas ao Pd'B por Artur Mendes. 

A notícia do jornal americano é do nosso arquivo pessoal: "The Richmond Palladium", de 18.12.1907



sexta-feira, 2 de abril de 2021

[4827] Hoje, vamos às compras, na casa onde há de tudo, a tal que financiou o primeiro disco da Cesária

Uma das primeiras publicidades comerciais a seguir à independência (25 de Agosto de 1975), mas ainda com impressão feita em Portugal (Castelo Branco).


[4826] "Beefs" em Cabo Verde

A notícia é do "New York Times", de 19 de Janeiro de 1917, vinda até ele via Rio de Janeiro. O vapor inglês "Yarrowdale" teve uma história curiosa, que não é para aqui chamada, pois o que interessa mesmo é que chegou a São Vicente com cerca de 400 homens, tripulações de pelo menos oito barcos afundados pelos alemães durante a Grande Guerra.

quarta-feira, 31 de março de 2021

[4825] Em 1959, era assim, com o café de Cabo Verde

A notícia foi veiculada através da agência noticiosa France-Presse para o "Correio da Manhã" do Rio de Janeiro, no qual saiu a 19 de Julho de 1959. E diz tudo... No Alentejo, era a mesma coisa, com o trigo ou o azeite, por exemplo.


terça-feira, 30 de março de 2021

segunda-feira, 29 de março de 2021

[4818] "Verde que te quero verde..."

O postal é de 1992 e tem imagem de Santiago, mas foi remetido de São Vicente para Toulouse, França. Queixam-se a Simone e o George que Cabo Verde não está tão verde como a fotografia indica e que as ilhas são o deserto sobre o oceano... No entanto, e muito bem, acham as paisagens soberbas e a temperatura ideal. Despedem-se à espanhola, com "un abrazo", em vez de "um abraço" ou "um braça". Mas nós desculpamo-los, coitados... Enfim!...



sábado, 27 de março de 2021

[4817] Nancy Vieira e Rui Veloso na Sociedade de Geografia de Lisboa, em 2010

[4816] "Ilha dos Outros", com Manuel Paulo e Nancy Vieira

DISCO PÁSSARO CEGO

E se nascêssemos nus, de olhos fechados, sem saudade, sem o outro, sem o reconhecimento da fala, sem a descodificação do medo, sem os signos do amor, sem uma rosa-dos-ventos no bolso?

Andamos de ilha em ilha, à procura de nós próprios. A nossa identidade não é apenas o somatório dos sentimentos e dos afectos, mas, e acima de tudo, o que conseguimos com eles fazer pelos outros e por nós. É esta a viagem do Pássaro Cego.

São canções do Manuel Paulo. O registo orgânico das suas composições fazem dele o meu parceiro deste voo desamparado. A Nancy arrisca connosco a descoberta do outro, a descoberta das vozes, a descoberta do medo, a descoberta do amor e da felicidade... A Nancy Vieira, que canta as ilhas como ela sabe, é a nossa asa da frente. 

A condição humana é uma sobreposição de camadas. Desde a emergência do choro primordial até à eloquência do que arriscamos criar. É assim a pintura de João Ribeiro. Exactamente por camadas até à revelação do quadro.

São canções, claro que são canções! Canções para ouvir e ver pela mão de Manuel Paulo, Nancy Vieira e João Ribeiro. Quem sabe a cegueira residual, que a todos contamina, não será apenas a revelação do que ainda temos para caminhar. Deixem o Pássaro Cego tentar...

Nascemos Humanos. E agora? 

João Monge (autor das letras)

[4815] A grande Nancy Vieira, uma das melhores vozes de Cabo Verde, em "Amor di mundo "

[4814] Mindelo em 1907, ano em que o príncipe real D. Luís Filipe por ali passou, no regresso da sua viagem a África


sexta-feira, 26 de março de 2021

[4813] Degredados

Colaboração do nosso amigo Artur Mendes que teve a amabilidade de nos enviar este texto e esta imagem.

Imagem ilustrativa
Foi numa madrugada de janeiro melancólica e lúgubre com um carme dantesco. Sob uma chuva miúda e fugida entre duas filas de guardas de baioneta armada, marcham para o cais os degredados.

Na rua erma e gélida, qual catacumba em que a romper o silêncio apenas ressoava o passo regular da soldadesca, um taberneiro madrugador abria a loja, especava-se depois entre portas a ver desfilar aquele cortejo de desgraça e, erguendo o braço espalmando a mão suja murmurava rindo alvarmente:-- “São vadios…”. E eles os párias que a justiça proscrevia, passavam cabisbaixos e andrajosos, dardejando olhares de fome.

Eu, quedei-me a examinar esses presos dos quais apenas uns seis, de melenas e ar gingão inspiravam asco; a maioria dos da leva, uns vinte talvez, tinham o tipo d’operários sem trabalho e caminhavam com uma atitude de verdadeiras vítimas da imperfetibilidade social.

Horrorizava ver, numa selva de baionetas, marchar para a morte lenta ou para o vício, esse contingente do grande exército dos sem pão; e levavam o sinete do vilipêndio, esses desgraçados que poderiam ser cidadãos honestos e generosos. O taberneiro o dissera! Eram vadios…

****

Chegada ao cais, a força fez alto, uniu as fileiras e as coronhas da Mauser batendo pesadamente no solo produziram um som cavo e profundo como um dum rumor subterrâneo; as águas barrentas e revoltas do rio batiam numa fúria impotente contra a muralha do molhe e, de lá em baixo, fortemente atracado, o rebocador bambaleava-se galhardamente de popa à proa, esperando fumegante o momento de conduzir os presos para o paquete.

Agora, no cais procedia-se à chamada; um sujeito grave, de certa idade bradava já em voz irritante o último nome da lista que tinha na mão: “João Maria”, pronto! Disse um rapaz ainda imberbe que chorava em silêncio.

Uma mulherzita sua conhecida que chorava a meu lado contou-me a sua história. Ele era enjeitado, aprendiz de carpinteiro, um dia despediram-no e o pobrezito, depois de procurar em vão em que ganhar a vida, viu-se sem dinheiro e sem abrigo e passou a dormir nas praças públicas; foi preso várias vezes; por último deram-lhe parte e agora lá o mandaram para essas áfricas …

Afastei-me confrangido, ao ouvir esta história que tinha tanto de singela como de trágica.

E enquanto os clarins dos navios de guerra tocavam a alvorada n’um tom plangente e triste como uma marcha fúnebre, a bordo do rebocador, esse contingente do grande exército dos sem pão dispunha-se de lágrimas nos olhos e coração opresso a partir para a morte ou para depravação se não morressem pelas febres aprenderiam a ser criminosos! 

Eram vadios….

Armando D’Aquino

Em “A luz”, Lisboa, 25 janeiro de 1909

Nota: A deportação portuguesa para Cabo Verde parece ter sido verdadeiramente significativa no século XIX. De acordo com os dados de António Carreira, foram deportados para o arquipélago 2433 condenados, dos quais 81 mulheres”.


[4812] Sónia Lopes, em "Pinuria" (ver post anterior)

[4811] 27 de Março, dia da Mulher Cabo-Verdiana, comemorado em Assomada, Santiago

O Dia da Mulher Cabo-Verdiana é assinalado este ano com diversas atividades que têm por palco a Praça Central e o Centro Cultural Norberto Tavares.

A partir das 10h00 deste sábado, 27, a Praça Central de Assomada acolhe uma Feira de Saúde, com rastreio de hipertensão arterial e glicémia. A feira é organizada pelo Pelouro do Desenvolvimento Social, com o apoio da Vedefam.

À mesma hora, no Centro Cultural Norberto Tavares CCNT) abre uma exposição de produtos feitos por mulheres, de artesanato, doces e salgados, e uma outra da artista plástica e cantautora Sónia Lopes. Nas Padas (Meus Pedaços) é o nome da exposição de artes plásticas que junta a pintura ao artesanato.

Pelas 16h00, Sónia Lopes sobe ao palco do CCNT com o músico Pires Heber, para um Concerto Live a ser emitido através da página de Facebook da Câmara Municipal de Santa Catarina: https://web.facebook.com/CMSCST

O concerto é organizado pelo Pelouro da Cultura, sendo o acesso condicionado a 50 pessoas e ao uso obrigatório de máscara.



quinta-feira, 25 de março de 2021

[4810] Paulino Vieira, em "Um Minute de Silence"

[4809] Paulino Vieira, em "Ô Pão" (tradicional)

[4808] Paulino Vieira, em "M'cria Ser Poeta". O mestre, sempre, numa das suas mais belas criações! Um clássico!

[4807] Concerto Intimista junta Naty Martins e Silvino Tavares em Assomada, ilha de Santiago

Naty Martins e Silvino Tavares, dois conhecidos cantautores da ilha de Santiago, vão estar juntos, no mesmo palco, esta sexta-feira, 26, pelas 16h00, no Centro Cultural Norberto Tavares, em Assomada.

Integrado nas comemorações de Março, Mês da Mulher, da Poesia e do Teatro, a primeira edição do formato Concerto Intimista leva, ainda, ao palco, o músico e professor de guitarra David Rocha, que acompanha Naty Martins e Silvino Tavares.

O evento é organizado pelo Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Santa Catarina, sendo o acesso condicionado a 50 pessoas e ao uso obrigatório de máscara.



[4806] 94.ª "Crónica do Norte Atlântico" de Joaquim Saial, para o jornal "Terra Nova", a sair neste mês de Março


[4805] Escoteiros de Portugal (nomeadamente os de Moura, Baixo-Alentejo) apoiam Cabo Verde

Ver AQUI

[4804] Pence, pence!

O postal foi de São Vicente para Neuchâtel na Suíça. Quem o escreveu, em francês, disse que o que a miudagem que mergulhava junto ao navio chegado ao Porto Grande queria era pence (moeda inglesa). E era verdade...


quarta-feira, 17 de março de 2021

[4802] PdB em pausa, dado que o seu autor está a escrever um longo texto sobre o veleiro "Madalan" (antes, "Illyria"). Voltaremos, logo que possível


Foto do "Madalan", quando ainda se chamava "Illyria", publicada num jornal americano em 30 de Outubro de 1928, ano em que foi construído em Itália. É possível que seja a primeira imagem do navio publicada num periódico.

sábado, 13 de março de 2021

[4797] O novo passeio dos famosos (com substância) na Rua de Lisboa, Mindelo, ilha de São Vicente

Fotos de hoje, do nosso amigo Zeca Soares, a quem muito agradecemos. Ver post 4789 (clique no n.º anterior)



A pegada dedicada a Leão Lopes, cineasta, artista plástico e docente universitário