sábado, 19 de outubro de 2019

[4339] Transportes marítimos inter-ilhas em Cabo Verde: sempre na mesma, como a lesma.

O/A nosso/a visitante já leu o "Ver AQUI" que colocámos acima? Já? Então agora leia este excerto de um longo texto de António de Barros saído num jornal lisboeta, em Março de 1956. Nota semelhanças? Pois é, ou Cabo Verde está amaldiçoado por Neptuno ou 63 anos depois estamos na mesma. Raios!!!...

[4338] Mais um postal ilustrado, este de 1924

O sujeito ia para a Guiné e o navio aportou a São Vicente, para ele desgraçada "primeira terra de pretos", a que seguiria outra, a Guiné. Não sabemos se o destino final seria esse os se iria para mais longe. Sabemos sim que o amigo para quem ele escrevia era um famoso editor lisboeta (com casa de fotografia). Sabemos também que o postalinho (em que o nosso Monte Cara ainda é apelidado de "Cabeça de Washington") foi editado pela casa do comerciante Aníbal Rocha "Pudjim"... maçong de Soncente, como se pode ver na última imagem.

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

[4326] Efeméride: passagem dos 60 anos do início da publicação do "Suplemento Cultural" do "Boletim de Propaganda e Informação de Cabo Verde"


O nosso amigo Manuel Brito-Semedo, sempre atento, chama no seu blogue Esquina do Tempo a atenção para a passagem dos 60 anos do "Suplemento Cultural" do "Boletim de Propaganda e Informação de Cabo Verde" que agora está a ser editado em fac-simile. Ali pontuaram Aguinaldo Brito Fonseca, Francisco Lopes da Silva, Gabriel Mariano, Ovídio Martins, Carlos Alberto Monteiro Leite, José Augusto Monteiro Pinto, Sylvia Crato Monteiro, Terêncio Anahory e Yolanda Morazzo, entre outros.

Praia de Bote alia-se à comemoração, publicando a capa do n.º 1 (existente na sua Biblioteca Cabo-Verdiana, bem como vários outros), o índice do mesmo e dois estudos de Pedro Gregório.






domingo, 6 de outubro de 2019

[4325] Um dos dois restaurantes Tia Bé da Cova da Piedade com nova cara (e esplanada)

O outro, já é conhecido de dois dos frequentadores do Pd'B (o autor e um mnine de Tours). Este ficará para próxima vez. Foto fresquinha, de hoje, em final de tarde.

sábado, 5 de outubro de 2019

[4324] Foi ontem, na associação Cretcheu na Cova da Piedade (Amada, Portugal). Praia de Bote não faltou a esta noite inesquecível

Calu, acompanhado no baixo por Manuel Paris (irmão do Tito)

Inútil identificar este (resto de) prato (ou de travessa...)

Agora com Beita nas percussões

A esposa de Calú encheu a noite com a sua poderosa voz

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

[4312] Convite (cabo-verdiano) para Lisboa

A Associação Caboverdeana de Lisboa (ACV) tem a honra e o prazer de o (a) convidar para a Sessão de Abertura da sua VIII Quinzena da Cultura Cabo-Verdiana em Lisboa, a partir das 18,30 h do próximo dia 04 de Outubro (sexta-feira), nas suas instalações sitas na Rua Duque de Palmela, nº 2, oitavo andar, ao Marquês de Pombal (Lisboa, Portugal), com as seguintes actividades:

1. Inauguração da Exposição de Pintura de Kiki Lima em celebração dos cinquenta anos da sua carreira como artística artista plástico e músico e com a presença do autor.

2. Inauguração da Feira do Livro Editado em Cabo Verde.

[4311] Deliciem-se... em crioulo e em castelhano.

[4310] Madonna chega a Ítaca... perdão, a Ulisses


terça-feira, 24 de setembro de 2019

[4308] Justiça para o marinheiro João Correia do "Senhor das Areias"


[4307] Para ver e rever...

[4306] Saiu revista "Turimagazine" (Cabo Verde) de Setembro.2019


[4305] Outros tempos... Outubro de 1954



[4304] Foi durante a viagem presidencial de Craveiro Lopes à Guiné, Cabo Verde e Madeira, em Maio de 1955


[4303] Zeca Soares, desta vez fala-nos de uma actividade muito interessante da ilha de São Nicolau (e mostra-a)

Estas são imagens alusivas a uma tradição antiga na ilha de São Nicolau conhecido por "Virada".

Trata-se de cabras que vivem em estado selvagem e que periodicamente, duas vezes ao mês, são recolhidas pelos donos e depositadas num curral improvisado durante umas horas para se proceder à sua identificação sanitária, filhotes e contagem, e depois são largadas até a próxima recolha.

Reza a História  que esta actividade tem a sua origem nos navegadores portugueses que de passagem pelas ilhas deixavam animais pelos campos, com intuito  de se reproduzirem, para em viagens posteriores serem recolhidas  para alimentação e "chacina". Isto, a propósito das cabras do post 4297 (clique no número).