terça-feira, 23 de abril de 2019

[4219] António Firmino expõe em Corroios, Seixal




























O presidente da Câmara Municipal do Seixal, Joaquim Santos,
convida V. Ex.ª para a inauguração da exposição ECOS E CORES
DAS NOSSAS VIVÊNCIAS
, pintura de António Firmino, que se realiza no dia 27 de abril, sábado, às 17 horas, na Galeria Municipal de Corroios.
A exposição está integrada no programa das comemorações
do 45.º aniversário do 25 de Abril de 1974 e estará patente
até 8 de junho de 2019.
cid:image004.png@01D4C20E.3E88A420
GALERIA MUNICIPAL DE CORROIOS
Rua Cidade de Leiria, 1 A, Corroios, 2855-133 Corroios
T. 915 633 228 – E. quintadafidalga@cm-seixal.pt
Terça-feira a sábado das 15 às 19 horas
Encerra aos domingos, feriados, segundas-feiras e mês de agosto

[4218] Baltasar Lopes da Silva (23.4.1907 - 23.4.2019), na passagem dos 112 anos do seu nascimento

Nhô Baltas, sempre, obviamente!...


URBI ET ORBI

Oh! Quem me dera ser cego para as diferenças que me separam.
Quando é que virá alguém dizer-me que elas não passam
          de uma ilusão dos meus sentidos imperfeitos,
e depois me dê a certeza de que sou simples pedra
                    para que a nossa casa se levante e eu possa
ver o horizonte escondido!

De "Cântico da manhã futura", como Osvaldo Alcântara

segunda-feira, 15 de abril de 2019

[4217] E agora sim, paragem, MESMO, até passar o trabalho mais gratificante


[4216] V Cimeira Portugal - Cabo Verde, Estufa Fria, Lisboa, a multidão verdiana (ver posts anteriores)

[4215] V Cimeira Portugal - Cabo Verde (ver posts anteriores)

Comunicação social esperando primeiros-ministros e comitiva


Vários ministros e outras personalidades portuguesas e cabo-verdianas. Entre elas, Vasco Lourenço e o pintor cabo-verdiano (santantonense) David Levy Lima (na imagem, entre Ulisses Correia e Silva e o ministro português da Administração Interna, Eduardo Cabrita). À direita na foto, Luís Filipe Lopes Tavares, MNE de Cabo  Verde e Carlos César, Presidente do PS e Conselheiro de Estado.

[4214] As batucadeiras "Voz de África" e Lura, na V Cimeira Portugal - Cabo Verde (ver posts anteriores)




 

[4213] Discursos de abertura na V Cimeira Portugal - Cabo Verde, na Estufa Fria, Lisboa, sexta-feira, 12 de Abril de 2019 (ver post 4211)

Os discursos são como são. Uns bons, outros maus, outros assim-assim. Ora o Pd'B esteve a cerca de três metros dos primeiros-ministros de Portugal e de Cabo Verde e não só os ouviu com atenção como sentiu o pulsar das centenas de cabo-verdianos que ali estavam e podemos dizer que não só os discursos (de improviso, note-se) como a reacção dos ouvintes foram BONS. Podia até dizer MUITO BONS, mesmo. Não só por António Costa ter dito que Lisboa é a 11.ª ilha cabo-verdiana como por Ulisses Correia e Silva ter invocado sem subserviências a história comum e ter acentuado que essa história é sentida e estimada oficialmente (para além da mais natural que os dois povos nutrem). E viu-se, na alma das pessoas mais populares que ali estavam, as batucadeiras que animaram a festa (para além de Lura e do seu grupo) como elas abraçaram os dois homens de estado. Sim, sim, houve escravidão, houve malfeitorias por parte dos portugueses, sim, todos o sabemos, mas o que de bom eles deixaram nas ilhas supera todos os males que possamos ir buscar aos livros ou arquivos da História. E é isso que devemos valorizar. O resto são cantigas... perdão, mornas... 

A propósito de mornas, lembremos que Ulisses ofereceu um cavaquinho a Marcelo Rebelo de Sousa, outro ao Presidente da Assembleia da República e um terceiro a António Costa. Quando o fez a este, na Estufa Fria, disse que a oferta não era inocente e que a mesma tinha lugar no âmbito do desejo de Cabo Verde ver a morna elevada a património imaterial da UNESCO. Desejo esse que se estende a Portugal, obviamente. Imaginem, o fado, o cante alentejano e a morna juntos... com uma cachupa e um cozido à portuguesa para ajudar ao deleite...



[4212] Nas comemorações dos 140 anos da cidade do Mindelo, munícipes recebem plantas decorativas

Óptima iniciativa, a repetir sem parar...

[4211] Foi assim que terminou um encontro de amigos. Pd'B tem dezenas de fotos de como o encontro começou. Em breve, divulgaremos algumas

[4210] O pestífero vai chegar à Praia e vai levar nas orelhas... Esperemos que com força!

[4209] Mindelense, sempre a aviar... golos!

quinta-feira, 11 de abril de 2019

[4207] Pd'B para MESMO durante uns tempos. Joaquim Saial fala de Jorge Barbosa na FCSH da UNL

Acompanhamento de dois grupos em viagem a localidade alentejana, uma palestra (a que aqui se anuncia, uma entre várias, de especialistas de Jorge Barbosa) e a apresentação de livro  alheio (fora o resto...) afastam o dono da casa... de casa. Voltaremos, logo que possível, com episódica aparição no dia da cidade do Mindelo. Entretanto, os comentadores que comentem. E se não comentarem é porque ficaram calados (grande verdade!...). Cartaz definitivo, com os outros intervenientes, será aqui divulgado, logo que possível.


quarta-feira, 10 de abril de 2019

[4206] Os nossos visitantes estão a ver mal? João Lopes é a solução... no Mindelo (mas em 1971)


[4205] ​Mindelo recebe seminário da Rede Mulheres Profissionais Marítimas e Portuárias da África Ocidental e Central


[4204] Maru nunca más ta cabá!!!

Eles ainda ali estavam, no Porto Grande, em Janeiro de 1966, pescando, pescando, pescando, nos mares de Cabo Verde, por uma tuta e meia, sacando o materialzinho que era regularmente passado para enormes barcos fábrica que ali o ia buscar. Eram os marus, mais que muitos... E eram espertos os japoneses. A culpa do saque era deles mas não só... No entanto, algum dinheiro deixaram no Mindelo, sobretudo na zona do Lombo... O escritório do negóce era na Praça do Regala...

Os atuneiros japoneses e as suas tripulações deram até origem a uma coladera de Gregório Chantre, "Saiko Daio" tocada em primeira versão pelos Ritmos Cabo-Verdianos de António Marques da Silva (piano), com Humbertona na guitarra e voz de Longino Baptista. Daremos a musiquinha a quem aqui fizer comentários... obviamente!

[4203] Estes ingleses!...

Para além de Newcastle, era de Cardiff que vinha parte significativa do carvão descarregado nos quintalões das companhias que ao negócio se dedicavam no Mindelo, no século XIX e em parte do XX. E era em Cardiff que morava Miss Gibbs..., no 28 da Rectory Road (ainda existe a casa que pode ser vista no Google Maps), para onde alguém em 1901 lhe enviou este postal, com indicação do local dos escritórios e dos "nossos trabalhadores" - que o objecto, feito na Grã Bretanha (na conhecida casa Auty Ld., de Tynemouth), assinala em legenda como "trabalhadores nativos"... Rua Infante D. Henrique, Rua do Telégrafo, Rua de 5 de Julho...


















[4202] Para os que amam MESMO o Mindelo e São Vicente, um postal de um grande homem

Natural de Ponta do Sol, Santo Antão o Dr. Aníbal Lopes da Silva (estomatologista) ficou para sempre como homem de São Vicente, seu filho adoptivo. Já aqui citado várias vezes, divulgamos hoje um postal enviado para colega de outra especialidade que mostra o seu carinho pela ilha do Porto Grande. Falecido a 29.3.2009, o postal data de cerca de 20 anos antes.

[4201] 140 anos da cidade do Mindelo comemoram-se no próximo domingo, dia 14


No blogue Praia de Bote, o Mindelo comemora-se todos os dias, com todas as pompas, há cerca de 9 anos. Mas o dia 14 de Abril é sempre mais especial. Até dia 15, só Mindelo no Pd'B.


domingo, 7 de abril de 2019

[4200] Na "Convocarte" n.º 5, revista da Faculdade de Belas Artes de Lisboa, com artigo de Joaquim Saial

Sai agora em papel (depois de estar no ar em versão digital), e numa edição muito limitada de 100 exemplares, mais um texto da nossa lavra, desta feita sobre a arte pública da Avenida da Liberdade (Lisboa). Aqui ficam a capa, o índice do presente número e duas páginas do longo artigo. O lançamento terá lugar na próxima terça-feira, dia 9 de Abril, no Auditório Lagoa Henriques da Faculdade de Belas Artes de Lisboa, ao Chiado.





[4199] Um dos mais curtos e bonitos textos que já nos foi dado ler sobre São Vicente e Santo Antão. De 1893

Transcrito exactamente como se nos apresenta no postal original, oferecemos aos nossos visitantes um texto escrito por um indivíduo de nome José Leitão Pereira para um seu amigo em Lisboa, Henrique Anachoreta, morador na Rua Nova do Loureiro, 36 - 2.º Esq.. 

Do primeiro, nada sabemos; do segundo, há muito material na internet sobre ele, para quem desejar aprofundar a sua biografia. Resta dizer que saiu a missiva de São Vicente a 6 de Novembro de 1893 e que a mesma chegou a Lisboa a 14.

Texto muito simples mas bem bonito, tendo como motivo a chuva, sempre desejada nas ilhas.

Meu Caro Amigo
Saude e mil felicidades
As chuvas nesta Ilha e na de S. Antão
este anno forão abundantes, a costa
da quella Ilha que d'esta se vê, está
um tapete de verdura que ao despontar
do sol apresenta um lindo panorama.
Sou com devido respeito Seu Am.º Att.º e Obg.º
S. Vicente 4/11/93 José Leitão Pereira

sábado, 6 de abril de 2019

[4198] Paulino Vieira em 1985, na RTP


Logo no início do filme e ao minuto 7 (+-)

[4197] Pd'B recebe convite e lá estará...

Através da Embaixada de Cabo Verde em Lisboa recebemos este simpático convite que, como seria de esperar, aceitamos com todo o gosto. Lá estaremos, portanto...


sexta-feira, 5 de abril de 2019

[4196] Uma foto rara do "Ernestina" e do comandante Conceição Silva (ver post anterior)

Foto do comandante Conceição Silva no Porto Grande, a bordo do "Ernestina". Esta foto faz parte do espólio que a família nos permitiu fotografar na totalidade e é pela primeira vez divulgada em público. Data incerta, talvez primeiros anos 60.


[4195] Cumprem-se hoje cinco anos sobre a morte do comandante Guilherme Conceição Silva

 

Passa hoje o 5.º aniversário da desaparição do comandante Guilherme Conceição Silva, distinto oficial da Armada. Grande amigo de Cabo Verde, a nossa curta amizade e convívio assentou no interesse mútuo pela vertente marítima da obra do escritor Henrique Teixeira de Sousa. Pd'B lembra AQUI a notícia do seu passamento.

Ver AQUI filme de conferência de imprensa do comandante, enquanto presidente da Comissão de Extinção da PIDE-DGS e LP. A propósito desta comissão, ver AQUI.

Foto Joaquim Saial