quinta-feira, 16 de agosto de 2012

[0237] CONCURSO 10

 Fernando Frusoni  estreia-se como vencedor da 10.ª edição do Concurso do Praia de Bote. Tratava-se de facto de uma porta do mítico Café Royal (Royal - não era republicano) onde havia grandes pianadas (teclas) pelas mãos mágicas de D. Tututa (nominha parecido com Tuta do Parque Miramar) que fazia ginástica aos dedos, claro, tocando.


Foi assim desvendado com enorme rapidez o enigma e aqui fica não só o ramo de acácia para o cabo-verdiano-genovense como a foto do café, nos anos terminais (1999), com o então proprietário à porta, Sr. Tchuna. É quase certo que esta foto irá aparecer no filme sobre D. Tututa que estreará em breve, bem como outra documentação saída do arquivo do PRAIA DE BOTE. Esperemos para ver. A expectativa é enorme, pois os excertos já divulgados são de óptima qualidade.


Pergunta: a que edifício e estabelecimento icónico do Mindelo pertenceu esta porta?

Ajudas: não era republicano, havia lá teclas e tinha sabores finos. Ali brilhava alguém que tinha nominha parecido com um proprietário da 7.ª arte mindelense e fazia ginástica aos dedos.

7 comentários:

  1. A porta é do Cafe Royal, com toda a certeza. Um abraço e até breve. Fernando

    ResponderEliminar
  2. Bingooooooooooooooooooo!!! FF conquista o seu primeiro ramo de acácia!!!
    Braça,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Do Café Royal passou a ser o Café do Tchuna. Quem tocava o piano ai era a Tututa. De acordo?. Entao vou buscar o premio. Ciao

    ResponderEliminar
  4. Claro! As dicas foram boas mas eu nao conseguiria la chegar. Parabens ao vencedor.
    Nita

    ResponderEliminar
  5. Tututa - a pianista e o outro era Tuta Melo, proprietario do saudoso Cine ou Parque Mira Mar. Que Sodade!
    Nita

    ResponderEliminar
  6. Muito bem, Nita! Exactamente!
    Bijim pa bô,
    Djack

    ResponderEliminar
  7. O Fernando hoje foi mais veloz que o "Amigo" Speedy Gonzalez !!!
    Se Nhô Claudio pudesse ver o muro do seu Royal ele morria outra vez.
    Nos tempos àureos o exterior era tão impecàvel como o interior do Royal e
    do Royalzinho de que ninguém fala. Também andava cheiinho a certas horas.
    Bons tempos.

    ResponderEliminar