sábado, 24 de agosto de 2013

[0554] O "monstro da Lajinha", a mais espantosa e inimaginável aberração plantada na bela praia urbana do Mindelo

Manhentos com o monstro escocês do Loch Ness, "indivíduos" criaram na Lajinha o seu monstro particular. Baptizado desde já como "monstro da Lajinha", espera-se vivamente que o mar se encarregue de dar cabo dele. Ó Atlântico, protege-nos e destrói mais uma aberração mindelense. E já agora os "indivíduos" que venham ver o que é a Costa da Caparica hoje, com os seus "maravilhosos" esporões, e o paraíso que antes era sem eles... Raios, ninguém aprende com os erros dos outros?

Foto de autor desconhecido do Pd'B, existente no Facebook e enviada para nós pelo nosso colaborador José Fortes Lopes

7 comentários:

  1. Posso estar enganado, não sou técnico, mas como gato escaldado tem medo de àgua fria, não acredito que isto tenha sido feito de boa fé.
    Que Deus acompanhe quem precisa.

    ResponderEliminar
  2. Por enquanto, o monstro apenas mostra a língua repugnante e viscosa...O corpo serão, decerto, as desastrosas consequencias de uma intervenão que, noutras paragens, já provou ser contraproducente ... No caso vertente, creio que se condenou ao progressivo desaparecimento uma - e única - praia natural e à porta de muitos milhares de mindelenses que, decénios atrás já tinham assistido ao eclipse da Praia dos Falcões, na Matiota!!!

    ResponderEliminar
  3. Acabei de responder ao José Lopes dizendo-lhe que a inconveniência desta obra entra pelos olhos dentro mesmo de quem seja néscio na matéria. Não é minimamente crível que o regime das correntes se não ressinta drasticamente num espaço aquático dessa dimensão. E se o tal cluster vier a ser um flop, então terão deitado fora mais um dos poucos anéis que a cidade tinha.

    ResponderEliminar
  4. Devemos aguardar pacientemente pelos resultados.
    Estas infraestruturas talvez venham a minimizar algum mal causado anteriormente, e proporcionar um melhor conforto aos banhistas. Uma coisa é certa; pelo seu posicionamento em relação ao areal da Laginha vai impedir de certeza que as descargas sanitárias e outros que os barcos fazem nos Estaleiros da Cabnav, atingem a zona balnear.
    Por outro lado, temos uma construção similar feito na Baía do Porto Grande, mais precisamente na zona do Lazareto há pouco mais de dois anos, que embora seja de menor dimensão, nesse pouco tempo já apresenta resultados satisfatórios, permitindo a retenção da areia, e o aumento da zona balnear e também uma maior segurança.
    Portanto, vamos dar um voto de confiança aos sues mentores, e que pelo facto desta experiência não ter dado bons resultados noutras paragens, isto não quer dizer que não possa resultar no nosso caso.
    São Vivente e Praia de Bote merece.

    ABRAÇO DUM BANHISTA

    ResponderEliminar
  5. Há sempre essa possibilidade. Aliás, todas estão em aberto. Veremos!

    Grande braça pa Monte Sossego,
    Djack

    ResponderEliminar
  6. Amigos este esporão afinal é uma coisa enorme um monstro plantado no meio desta Baía.
    Isto é coisa feia e de mau gosto reprovável a todos os títulos. Não se pode pactuar com coisas horríveis e no que me concerne o mal um erro, daí que reprovo a obra

    ResponderEliminar
  7. Esta foi a minha reacção a quente à imagem no Facebook

    "Afinal o esporão é um esporãozão que foi colocado no meio desta baía. Não é preciso ser grande especialista para antecipar a olho nu o s estragos que este esporão vai provocar nesta baía para além da sua inestética. Esta obra é uma estupidez de saloios, o padrão das correntes vai estar completamente subvertido e este ecossistema nunca mais será o mesmo. O Guilherme Mascarenha tinha carradas de razão de protestar. O problema não é propriamente o alargamento do cais de contentores mas este esporão.
    Pai perdoai-lhes que não sabem o que andam a fazer. Se isso é o Cluster do mar então *** para este cluster que antecipo como mais um elefante branco."

    ResponderEliminar