sábado, 28 de setembro de 2013

[0572] Praia de Bote e imediações, em duas fotografias de Hélder Doca

Duas belíssimas fotos de Hélder Doca, enviadas para o "Praia de Bote" pelo parceiro Manuel Brito-Semedo, a quem muito se agradece a simpatia do acto. Rua de Praia (que é o mesmo que dizer Praia de Bote) e Travessa de Praia (aspas, aspas), a primeira à noite e a outra em hora indefinida que nos parece ser do final do dia, quando o Sol se põe no Porto Grande. Nostalgia, beleza e grande sensibilidade artística, oferecidas aos frequentadores desta praia: aos que comentam o que por aqui vai aparecendo e aos que cá vêm mas permanecem mudos...

Foto Hélder Doca

Foto Hélder Doca

11 comentários:

  1. Ratrote tão bnitim que ta parecê na estranger.
    Nôs terra também tem cosa bnite. N'ê devera?
    Mantenha francês pa bocês tude.

    ResponderEliminar
  2. "Bnite" é poque pa cosa que ta pertá coraçon de sodade quande gente ta pensá nel.

    Braça,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Tude êss zona ti ta ser calcetóde bnitin i qualquer dia e vez de Rua de Matijim :-) I agora pa tchá bocês que manha, aonte foi aberte um restaurante indióne na rua São João, esquina que Travessa de Praia, que N crê ba conchê ôje, rsss!!! Bocês e convidód?! Braça i rise de troça :-)

    ResponderEliminar
  4. Um cre tma um breakfast mindelenç c'um bom catchupad'atum guisod c'ove estrelod, linguiça, doce de papaia e quej de Calhau. Tud c' um pom de padaria de Mats. ah aha ah

    ResponderEliminar
  5. Mim m' tava tma café ê c'aquel catchupinha guizode e um ove estrelode (às vez um pedacim d'tchurice). Depois era um ratchinha de cuscus(*) c'aquel cafizim c'lête de cabra de nôs quintal.
    V/

    (*) Cuscus era fazide pa quem ê????.

    ResponderEliminar
  6. Val cuscuz hoj em dia eh um cosa rare na terra, n eh pa tud dia i gen ca ta encontral. Hoj em dia gent tem q descobri boca a boca quem ta faze cuscuz na arredores de soncent e encomendá, e mesm assim n eh garatid.

    ResponderEliminar
  7. E pront, un tem de escrevê criol também, ma criol de Soncent, claro. ês foto ta mesme bnitim e ês ta carregód de nostalgia. Quel luz parda, respectivamente, de not e de dia, em cada fot, ta imprimil um atmosfera de mistêrio. Na one passod um metê tcheu vez gasolina naquel bomba de rua de Praia. Ês tem de mantém calçada na centro históric de Mindel.

    ResponderEliminar
  8. Sô pa dzê José que padaria de Matos já tita bá. Agora tem um português que tem um bom e produtive padaria na Maderalzim. Quel home ê mesme dinâmique e trabalhador. Na one passod um ba comprá lá pom ma nha amdger e nha neta. Um dia nô pdi pom de trança e mocinha de balcon dzê que tinha acabod grinhacim. Enton, dono de padaria parcê bind de là dentro c'um grande ceste chei de pom de trança e ele dzê pa mocinha: "Rapariga, nunca digas a ninguém que não isto ou aquilo nesta casa". E assim nô bem de lá c'um grande soc de pom de trança moda nha beta ca qu'ria ot quolidad de pom. Há dias, el perguntam: Avó, quando regressamos a Cabo Verde para comer novamente pão de trança?

    ResponderEliminar
  9. Adriano hoj no tita dá na criol sem med. Ah aH AH.
    Já agora e pom de midje ma barão ma sucrinha. Já bo squecê era tão sab tava matá fom na interval.
    Cuidod q criatura de Marte pos el ta estod ta guitá moda um fiscal de linga cabverdian. U que no tita falá li já eh clandestin.

    ResponderEliminar