terça-feira, 8 de outubro de 2013

[0585] Fotografias de dramática degradação do antigo Liceu Gil Eanes (depois Escola Preparatória Jorge Barbosa), também conhecido como Liceu Velho (01)

Foi aqui que leccionaram nhô Balta e nhô Roque. Foi aqui que estudaram Amílcar Cabral e Germano Almeida. Foi aqui que muitos de nós, mindelenses de sangue ou adoptados, estudámos. Era uma UNIVERSIDADE, em ponto pequeno, onde fizemos parte da nossa formação intelectual e cívica. Tinha professores de elevado nível (a maioria de origem cabo-verdiana) e aqui se formaram homens e mulheres que deram (e dão e darão) notável contributo a Cabo Verde, a Portugal e a várias outras pátrias. 

E está assim!...

O meu amigo e "mnine de Soncente" (também ele ex-aluno do Gil e colega de turma) José Carlos Marques esteve na ilha há semanas (após 50 anos de ausência), onde fez as fotos que temos vindo a mostrar. Ao mandar-me esta e outras do Gil que ainda veremos, falou-me da sua imensa tristeza ao ver esta degradação, este desleixo, afinal este esquecimento... Dizia-me ele que temos de fazer qualquer coisa, que a Fundação Calouste Gulbenkian poderia ajudar, que, que... Não lho disse, mas ainda lho direi, que ninguém parece estar interessado nisso, que a indiferença reina, que a memória dos grande cabo-verdianos que por ali passaram não parece ser suficiente para alguém arranjar uns tostões para uns míseros sacos de cimento e para uns baldes de tinta... Ao ver a sua velha casa degradada (em rua próxima do liceu), ao ver o velho liceu a entrar em ruína, as lágrimas afloraram-lhe aos olhos, como ele me contou. Enfim, ao deparar-me com estas imagens que partilho com os frequentadores da Praia de Bote, também as minhas pálpebras se molharam. Era inevitável...

Termino, dizendo que se houver um movimento local que se abalance à tarefa da recuperação deste edifício mais que simbólico, finalmente uma vaga de fundo credível construída por gente séria, terei um cheque disponível para oferecer, com montante correspondente à saudade e à dívida contraída para com ele.

Foto José Carlos Marques (Setembro.2013)
Foto José Carlos Marques (Setembro.2013) - Pormenor
Foto José Carlos Marques (Setembro.2013) - Pormenor

20 comentários:

  1. A MINHA INDIGNAÇÃO SÓ ME PERMITE UMA PALAVRA - VERGONHOSO!

    ResponderEliminar
  2. Isto é apenas o princípio, caro Zito...

    Braça desgraçada,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Não há palavras que descrevam a nossa indignação e o nosso espanto. Indignação, porque parece haver uma intenção de liquidar certa memória de que é depositária a ilha de S. Vicente. Espanto, porque a população da ilha e a elite social local não parecem minimamente preocupados com o que se passa, como se estivessem anestesiados, imunes ao sentimento que se apossa de todo aquele que vive fora e se depara com situações que envergonham todo aquele que ainda não arquivou a mente e o coração.
    Por esta e outras razões, e infelizmente muitas se vêm acumulando, já me tenho perguntado se uma certa reforma política (descentralização do poder) por que vimos pugnando será suficiente para mudar o rumo dos acontecimentos em S. Vicente. É que se não houver envolvimento de todos em prol das causas comuns, não se pode esperar que os políticos resolvam todos os problemas.

    ResponderEliminar
  4. Uma primeira resposta/contributo/ideia (por email), curiosamente de um não gilista mas mnine de Soncente de gema (parente próximo de Manim explicador):

    Caro Saial (ou Djack como sei que gostas de ser tratado):

    Devemos perguntar à CMSV e ao Instituto do Património Cultural o que pensam
    fazer, se está alguma coisa na forja. Talvez já esteja, pois não acredito
    que sejam cegos.

    Do nosso lado, criemos um grupo disposto a fazer donativos particulares e a
    convencer as empresas e outras organizações a fazerem donativos colectivos
    para salvar esse património. Só que qualquer conta bancária terá de ser
    gerida por gente reconhecidamente idónea, para dar confiança a que vi
    contribuir e que ficará certo que o seu dinheiro ser-lhe-á devolvido caso
    nada seja feito.

    Podemos solicitar a colaboração de velhos gilistas para orçamentar a obra e
    proceder à recuparação por fases, p.e. 1º a a parte frontal, depois a parte
    lateral, depois o átrio (interno) e assim sucessivamente.

    Quando foi cedido ao M-EIA uma parte do espaço não disseram que iriam
    angariar (ou já tinham) apoio para recuperar esse monumento? Ou a condição
    prévia era a cedência do espaço todo ao M-EIA?

    Não sou gilista mas estou disposto a colaborar pois sempre achei emblemático
    esse edifício-monumento e aquela esfera que fica ao centro do jardim.

    Haja vontade colectiva!

    Um abraço.

    João Mendes

    ResponderEliminar
  5. SECUNDO O AMIGO ADRIANO, REFORÇANDO A IDEIA DE QUE AS SOCIEDADES CIVIS TÊM QUE SER ACTUANTES E NÃO MEROS ESPECTADSORES, PASSIVOS, DOS ACONTECIMENTOS...ONDE PÁRA, AFINAL, O CÉLEBRE ORGULHO MINDELENSE?

    ResponderEliminar
  6. Valdemar Pereira, via email:

    CONTE COMIGO CONTRA ESTE VANDALISMO.

    Força !!!!

    Braça moda na nôs terra

    V/

    ResponderEliminar
  7. O que se passa com o edificio do liceu é a continuação do programa de vandalismo ou a demolição de todo o que nos resta. Fortim, Eden Park, Casa Adriana. So nos resta o edificio do liceu. Até quando?.

    ResponderEliminar
  8. Restam os dois plurins (virdura e pêxe), o Palácio (também a acusar danos fortes, como mostrarei, embora menores que os do liceu), a Alfândega (em bom estado, felizmente) o edifício da Câmara Municipal, a igreja de N.ª Sr.ª da Luz (abastardada), a Torre de Belém, a Capitania nova e mais um ou outro, mas todos eles são preciosos, todos eles precisam do carinho dos mindelenses.

    Braça edificada,
    Djack

    ResponderEliminar
  9. O estado de descalabro deste edifício (sede da Reitoria da Universidade de Cabo Verde) é inaceitável. Eu já tinha expresso a minha indignação em Julho quando descobri o estado deste edifício.Afinal há dinheiros para tanta coisa mas para este que foi dos sítios mais prestigiados de Cabo Verde por onde passou toda a elite actual de CV não aparecem dinheiros. ´E inacreditável.Cabo Verde está a ficar o reino da hipocrisia: choram homenageiam mas é tudo falso. Vou procurar o anterior post.

    ResponderEliminar
  10. Aqui está um comentário que pus no Blogue Esquina do Tempo há um ou dois meses. Com é actual volto a colocar
    Obrigado por esta informação que trazes aqui e que é importante, já muito detalhada. Portanto o trabalho de casa está feito, falta financiamento se percebi. Mas mindelenses e cabo-verdianos de boa consciência, a cultura e manifestações de nacionalismo não se fazem só com festas mundanas, mas também de pequena coisas de gestos de cidadania!! Este monumento merece tanto como a Morna o título de Património.
    Continuo a achar que em Cabo Verde há vários pesos e várias mediadas. Para umas coisas é a mobilização total, é o frenesim total, toda a gente fala, até parece aquele festival Todo o Mundo Canta, e para isso vai-se à Seca e à Meca e aparecem logo dinheiros (milhões) fresquinhos. Para outras coisas é a bandalheira total, o blackout total ou mesmo parece tabu. Incompreensível, não percebo a ideologia cabo-verdiana actual.
    Bolas, alguém que tenha poderes contactos internacionais ou diplomáticos que faça qualquer coisa para esta maior casa caboverdiana, escola de todos, ajudando os poderes locais ou nacionais a encontrar fundos. Façam um apelo petição etc. Quando é que vamos começar a ter vergonha na cara ou a consciência pesada e começar a valorizar o que é património matéria e imaterial. Onde é que está o pessoal que gosta tanto de CV e que até dá ataques de 'faniquito' em pleno público. Ah ah Ah

    ResponderEliminar
  11. Amigos desculpem-me o desabafo mas a revolta não pode ser contida: Aqui vai
    Esqueçam angariação de fundos: isso não dá pois não é para festa (Deus e os amigos me perdoem).
    Esta casa é da alçada do Estado de Cabo Verde, eles que encontrem solução para isso.
    Acabou o tempo da militância/angariação de fundos.
    Porque é que não tiram meio milhão dos 500 milhões que pensavam entupir na CIDADE ADMINISTRATIVA na Praia e recuperam o Liceu Velho. Para isso souberam ir bater as portas do Brasil para encontrar dinheiros para os burocratas estarem na boa sentados em poltronas. VErgonha Shame
    Eles não sabem ir pedinchar esmola à Europa e EUA para leviandades?
    Têm que ser pressionado pois não vá o diabo pensar em demolir o Liceu por ser um Lixo da História ou um Antro de Drogados como foi chamado a casa do DR Adriano, que nos fez sofrer tanto.
    Passaram por esta escola o Dr Adriano D Silva o Dr Baltazar L da Silva o Dr Aurélio Gonçalves o Amilcar Cabral etc etc, muitas ilustres pessoas
    Existe na Praia o IPAR (Instituto do Património) que tem feito um excelente trabalho na recuperação da Cidade Velha, que era um monte de escombros. Portanto eles que trabalhem no Liceu Gil Eanes

    ResponderEliminar
  12. Djack, Concluo achando que deve haver um movimento sim, mas para pressionar o Estado para dignificar a casa. Se dermos um tostão, estamos a pactuar com a indiferença o desleixo e a desconsideração. A gente recupera a casa para indignos irem festejar e re-inaugurar?! Este é o meu ponto de vista. Agora vocês é que sabem.
    Mas eu digo uma coisa este não é mais o meu Cabo Verde onde nasci. God dam it

    ResponderEliminar
  13. O José tem toda a razão, não é com donativos particulares que estes problemas se resolvem. Isso seria como um convite à continuação deste lamentável estado de coisas que vemos em S. Vicente, além de que não acredito que se consiga obter os fundos necessários, tanto quanto nos mostrou um recente episódio. Além do mais, não importa apenas recuperar o edifício num dado momento, é preciso garantir-lhe longevidade futura e restituir-lhe uma finalidade compatível com os seus pergaminhos históricos. Isso compete exclusivamente ao Estado, que, como diz o José, não se poupa quando está em causa outra ordem de interesses.

    ResponderEliminar
  14. Tudo opiniões aceitáveis. Nenhuma despropositada, como se esperava. Veremos o que o debate trará e para onde penderá a balança. Espero que as "cabeças responsáveis oficiais" sejam conduzidas para aqui... Pode ser que no "Praia de Bote" vejam o que não vislumbram na pracinha do Liceu...

    Grande abraço recuperativo,
    Djack

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Peço livcença para dar um peqwueno retoque à última frase que, em vez de "o que não vislumbram na pracinha do Liceu", deveria ser "o que não vislumbram, lá longe, do Planalto..."

      Eliminar
  15. Amigos
    Coloquei o link desta página no facebook e enviei emails a amigos, mas o silêncio/blackout é total. Conclusão ninguém vai fazer nada nem dizer nada, pelo que eu acho que agariar fundos não vai resultas. Os mindelenses (a elite) tem-se mobilizado na net por várias causas, mas sobre este caso do Liceu, não percebo. E estamos a falar de uma casa que nos fez crescer a todos. Será que o pessoal foi para a Passárgada ou tem medo de papões!? (e quem serão eles?). Mas bolas estamos em democracia só pode haver policiamento na nossa própria cabeça!!!

    ResponderEliminar
  16. Zito, lá em cima do planalto, devem sentir-se ungidos por uma graça qualquer que julgam ser divina mas que simplesmente lhes entorpece a mente. É que em vez de alargar a perspectiva dos mandões, estreita-a de uma forma lamentável e comprometedora. Cabo Verde é pobre, como não ignoramos, mas pode todavia distribuir os recursos e as atenções de forma mais justa e equitativa. Até porque se esquecem de que o Gil Eanes tem um significado histórico que não vincula apenas uma ilha mas toda a terra cabo-verdiana. O Gil Eanes é um símbolo forte demais para poder ser eliminado pela rasoira da ignorância e do despeito político. As imagens da degradação do edifício deviam convocar as energias cívicas e morais de todos, mas de todos os cabo-verdianos, para se pôr termo a esta vergonha. E isso só se consegue pressionando quem de direito. Angariar dádivas não é nem pode ser solução.
    José, o silêncio de alguns, porventura de muitos, é ruidoso, não é? Mas já te tenho dito que tal não nos pode causar estranheza pelas evidências que temos vindo a registar e a estudar. E a conclusão há muito que a tirei, como bem sabes. É uma conclusão que tem algo de triste e doloroso, mas a vida é assim mesmo, rapaz. O ponto é que não iremos a lado nenhum se ignorarmos a realidade tal como ela é. Ou tentamos transformá-la, o que é tarefa árdua e complexa, talvez mesmo irrealizável numa geração, ou então temos de nos conformar com o que somos: um povo que tem as virtudes da mansidão humana, da tolerância e da morabeza, mas com o terrível defeito da alienação e do conformismo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a vã glória do poder em todo o seu esplendor...Esquecem, felizmente para os outros, que os ídolos gerados pela tirania ideológica se esboroam a partir dos seus pés de barro!
      Temos que inventar um meio de sacudir os mindelenses da sua letargia, herdada de uma mentalidade conformada que se esgota na frase "manhã Deus ta dá" que, como se sabe, raramente funciosa!
      Ah! Se eu ganhasse o Euromilhões...
      Afectuosamente triste,
      Zito

      Eliminar
  17. Hoje, 10 de Outubro de 2013, pouco depois das 21h00 de Portugal, este post já é o 4.º mais visto de sempre do Praia de Bote, com 297 visitas (em dois dias). O que, no entanto, não tem correspondência em comentários. Digamos que, com raríssimas excepções, impera o silêncio... Quem cala... consente!

    ResponderEliminar
  18. Nhas gente, de Soncent e de tud quis ote ilha. Não se limitem a visitar este espaço, para onde o Djack em boa hora nos alertou sobre o lamentável estado do nosso Gil Eanes. Venham e comentem. E sobretudo não deixem morrer este assunto.

    ResponderEliminar