quinta-feira, 10 de outubro de 2013

[0589] A "Casa do Leão" e outras coisas

Como dissemos no post anterior, Adriano Lima ofereceu-nos material (dois prospectos em óptimo estado de conservação) relacionado com o Cine-Teatro Eden Park e com o Mindelo, dos anos 40 do século XX que reputamos de grande interesse para a compreensão da vida cultural e social da cidade de há 70 anos. Um deles é de Novembro de 1943; o outro será de época aproximada. Eis o historial de ambos, contado pelo nosso amigo e colaborador.

Adriano Miranda Lima
Estes prospectos eram propriedade do expedicionário ex-1.º cabo Francisco Lopes, natural do concelho de Tomar. Era conhecido no Mindelo por "Chico da Concertina" porque era um exímio executante desse instrumento e um animador das festas locais, em que se associava aos músicos da terra nos bailes e outras iniciativas. Repare-se que um dos documentos publicitários refere um espectáculo em que está o nome dele como participante. O senhor Chico fora electricista de profissão e trabalhava na barragem de Castelo de Bode. Quando me falava da sua passagem pelo Mindelo os seus olhos cresciam e ganhavam luminosidade, e continha-se para não se emocionar, tantas foram as boas recordações pessoais que ele trouxe de lá. Faleceu há pouco tempo, mais ou menos aos 89 anos.  Mas estava rijo e com boa apresentação, conduzindo ainda a sua viatura. Só que um dia as autoridades descobriram que ele não tinha a carta actualizada e retiraram-lha, até por causa da idade avançada. Foi o bastante para ele entrar em depressão, não saindo de casa. Com isso tudo, apanhou uma pneumonia e foi-se. 

Começamos esta mostra pelo prospecto de Novembro de 1943. Trata-se de um programa do Eden Park, de tamanho A4, dobrado ao meio (quatro páginas, portanto) que anuncia na página 1 o grupo cénico "Os Sempre Fixes" na revista "Tudo Trocado". Desta, daremos conta no próximo post. Mas hoje, dado que temos as fotografias recentes que o nosso amigo José Carlos fez o favor de nos oferecer dentre as que tirou no Mindelo, divulgamos simultaneamente um anúncio da Casa do Leão e uma fotografia do que resta da mesma na Rua de Lisboa e que conhecemos ambos como papelaria (ao que parece, temporariamente com essa valência, devido a um incêndio nas anteriores instalações que obrigaram à mudança para este local). Chega de palavras e vejamos as imagens. Digam lá, na verdade não são dois belos petiscos? No segundo caso nem tanto, dada a degradação do edifício, mas enfim... De qualquer modo, ergamos um cálice de grogue em memória de Celso Leão um grande português europeu e um grande mindelense.


Foto José Carlos Marques - Casa do Leão, Rua de Lisboa, Setembro.2013

11 comentários:

  1. Djack seria possível encontrares uma fotografia do prédio da antiga Casa do Leão na Pracinha da Igreja onde é agora a casa Benfica?

    ResponderEliminar
  2. Podes ver uma versão neste endereço:
    http://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2013/03/guine-6374-p11275-meu-pai-meu-velho-meu.html
    Braça leonística,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. E aqui outra versão do prédio, bastante antes de ser "Casa do Leão".
    http://fotos.sapo.pt/britosemedo/fotos/?uid=QublOk8cWFFSsuuYp5bO#normal

    ResponderEliminar
  4. Hoje, 10 de Outubro de 2013, pouco depois das 21h00 de Portugal, o primeiro post sobre a decadência do edifício do velho Liceu Gil Eanes já é o 4.º mais visto de sempre do Praia de Bote, com 297 visitas em dois dias. O que, no entanto, não tem correspondência em comentários. Digamos que, com raríssimas excepções, impera o silêncio... Quem cala... consente!

    Mas deixemos isso por agora e comentemos sim a "Casa do Leão" que tem muito que contar.

    Braça leonesa,
    Djack

    ResponderEliminar
  5. Prezado Joaquim, estou particularmente interessado nos prospetos referentes ao Eden Park. Tem como me enviar isso por mail, para o nosso Centro de Documentação? Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É óbvio que sim, com todo o gosto. E não só seguirão cópias destes dois que agora obtive por generosa oferta do Adriano Lima como de um terceiro meu, com data de 23 de Janeiro de 1963. O envio será feito ainda hoje, se possível, logo que digitalizar este.

      Grande abraço teatral, aqui do palco do Praia de Bote,
      Djack

      Eliminar
  6. Lembro-me bem da antiga casa do Leao na Pracinha da Igreja. Em 1947 comecei a frequentar a Escola Camoes, com o professor Amaral,na Pracinha até a 1951. Eu ia comprar os cadernos e outro material para a escola.na Casa do Leao. No recreio eu e os meus colegas faziamos desafios de corridas à volta da Pracinha. Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Obrigado Djack pelos links. Lembro-me agora deste lindo prédio que foi consumido por um incêndio nos finais anos 60 durante uma noite inteira: foi um abalo em S. vicente pois as chamas pareciam incontroláveis mas os nossos corajosos bombeiros conseguiram vencê-las. Ainda bem que a gente tem Praia de Bote para as memórias desta linda cidade hoje maltratada.

    ResponderEliminar
  8. Neste momento, posts sobre edifício do velho Gil Eanes
    Post 587 - Visto 17 vezes
    Post 588 - Visto 100 vezes
    Post 589 - Visto 318 vezes

    ResponderEliminar
  9. A Casa do Leão que começou na Pracinha da Igreja, frente à sua rival "Papelaria de Nhô Toi Pombinha", tinha o seu slogan "sempre imitada e nunca Igualada", nem precisava de propaganda escrita porque beneficiava de "bouche à l'oreille". O melhor veiculo eram as crianças a quem davam pequenos brindes.
    Nunca se viu correria igual.

    ResponderEliminar
  10. Tenho de acrescentar que o Francisco Lopes (Chico da Concertina) tinha um álbum exclusivamente dedicado a S. Vicente, e profusamente documentado, em cuja capa escreveu o seguinte título: "S. Vicente, terra do meu coração". Dele retirei uma série de fotografias que um dia destes ilustrarão um texto, mais um, sobre os expedicionários, em que procurarei mostrar o convívio amigo, franco e fraterno que se estabeleceu entre a população local e os militares. Assisti a 3 confraternizações deles em Tomar, espaçados no tempo, o primeiro em 1986 e o último nos finais dos anos 90. Ao chegarem ao local do convívio, alguns cumprimentavam-se efusivamente em crioulo. Depois do almoço, seguia-se música e não é que havia dois que cantavam mornas? Com o Chico Concertina, claro, a acompanhar com a dita cuja, e outros à viola. Só amor, o verdadeiro, enrola as memórias no coração até ao fim da vida.
    A Casa do Leão faz parte da história da ilha no século XX. E ficará sempre para a História.

    ResponderEliminar