quinta-feira, 24 de julho de 2014

[0978] Quem mente? Quem tira o seu a seu dono? Ou seja... quem foi o vigarista? E mais... onde está afinal este grupo de cabo-verdianos do início do século XX?

Santiago ou São Vicente? Sobre o assunto, ver também o nosso estimado colega "Arrozcatum", AQUI

Postal exibido no "Arrozcatum" (só frente)
Imagem de postal do arquivo do "Praia de Bote" (frente)
Verso do postal anterior

11 comentários:

  1. O postal do Praia de Bote levou 11 dias a chegar a Lisboa, desde a ilha do Monte Cara. Ou, pelo menos 10, se foi carimbado no dia posterior à chegada. Era obra!...

    Braça com vapor vagaroso,
    Djack

    ResponderEliminar
  2. O postal de S. Vicente é o "falso"...

    No de "Thiago", dá para identificar o trisavó do guarda Raspa (oriundo de Santiago), além disso: Trata-se de "tabanca",dança tradicional daquela ilha!

    Quando é que este maravilhoso blogue vai ter música de fundo, na fundo?

    ResponderEliminar
  3. Há fortes possibilidades de ser em Santiago, não há dúvida. Mas sabe-se lá se foi uma delegação de santiaguenses que esteve em São Vicente e ali foi fotografada... O fundo e o resto do enquadramento não nos dão pistas seguras e tanto o local pode ser numa ilha como na outra.

    Quanto a música, o Pd'B prefere não a colocar. Caso contrário, viria para aqui uma multidão a fim de a ouvir de borla, como já está a acontecer no Arrozcatum. Uma pessoa chega lá e é gente a dar com um pau, tudo sentado no blogue, não se consegue passar, uns trincando mancarra, outros mordendo cana-de-açúcar, terceiros a devorar sucrinhas, quartos a mastigar monftchóde. Mais dia, menos dia, o Zito nem vai conseguir colocar posts sem pisar os calos a alguém...

    Braça em silêncio,
    Djack

    ResponderEliminar
  4. Ná, ná, Djack, tens de começar já a ensaiar canções de marinheiros para meter no Praia de Bote. Se tiveres alguma dificuldade, dou-te uma pista. É ir ao reportório das cantigas dos marinheiros bêbados da Praia de Bote, rua de Matijim, Praça Estrela, Craca, Monte, etc., etc. É coisa de diazá, mas aquilo tem de tudo, desde cantigas em crioulo a cantigas em inglês e cantigas em inglês e crioulo misturados. O Praia de Bote merece o evento inédito de trazer a público essas cantigas com bafo de grogue. Mas... a voz, essa, tem de ser do dono do blogue. Podes crer que vais ter mais povo na rua de Praia do que no Festival da Cavala.

    ResponderEliminar
  5. Quanto a estes postais, a aldrabice é tanta que o único remédio é não ligarmos pevide e rirmo-nos com esses atropelos à geografia e à etnologia.

    ResponderEliminar
  6. Djack para o palco!!! Djack Para o palco!!! O bater de pés no chão do Eden Park é ensurdecedor. Os mindelenses querem ver o Dajck a cantar, a música a inundar o Praia de Bote. Esses mindelenses...

    ResponderEliminar
  7. Djack para o palco!!! Djack Para o palco!!! O bater de pés no chão do Eden Park é ensurdecedor. Os mindelenses querem ver o Dajck a cantar, a música a inundar o Praia de Bote. Esses mindelenses...

    ResponderEliminar
  8. Djack para o palco!!! Djack Para o palco!!! O bater de pés no chão do Eden Park é ensurdecedor. Os mindelenses querem ver o Dajck a cantar, a música a inundar o Praia de Bote. Esses mindelenses...

    ResponderEliminar
  9. Sobre os postais, imaginem que havia bazares em S.Antão, S.Nicolau, Sal, Maio e, por aí fora?!...
    Quanto à música, apoio o Adriano: acho a ideia brilhante!
    Bora lá!...

    ResponderEliminar
  10. Já estou a cacarejar... Em vez de o galo cantar na baía, ouve-se o Djack a cantar sentado no nariz do Monte Cara, lá lá lá, ó Tirizinha dnhêr d'Angola já cabá, bô é fidje fema d'nh'Antone Descaderóde, bô bem já p'ra cá, m'ta sperabo sentóde... lá lá lá, ó Malaquias ca bô pará de tocá, lá lá lá...

    Braça com um cupim d'grog a mais,
    Djack

    ResponderEliminar
  11. Que venham mais postais porque queremos apanhar os mentirosos.
    Isso é uma boa solução.

    ResponderEliminar