domingo, 19 de outubro de 2014

[1120] "Quando o núcleo universitário em Cabo Verde nasceu em S. Vicente", por José Fortes Lopes

José Fortes Lopes
O núcleo universitário em Cabo Verde nasceu de parto natural em S. Vicente, sob os auspícios de duas iniciativas de grande alcance: o Centro de Formação Náutica (CFN), nos anos 80, ocupando as instalações do antigo Comando Naval Português e a Escola Superior de Marketing do Eng.º Canuto, dos princípios dos anos 90.  Julgo que tudo isso contou com o apoio do então ministro da educação, Corsino Tolentino, que, salvo melhor opinião, e olhando para trás, terá sido até agora o melhor ministro dessa pasta, pelo menos tendo em conta a visão por si demonstrada para um sector fundamental da vida de um país que dava então os primeiros passos.  

A  Escola do Mar que o ministro António Correia e Silva ora promete e pretende levar avante não é, na minha opinião, outra coisa senão o Centro de Formação Náutica (que se chamou ISECMAR entre anos 70 e 2000) recauchutado. Este Centro era uma instituição com grande potencial de desenvolvimento, mas a sua morte não tardaria a ser sentenciada por  ausência de uma correcta visão estratégica uma vez integrado numa UNICV comandada da Praia.  Agora, reconhecendo o erro cometido, querem talvez reactivá-lo, ou então que seja uma forma minimalista de ressarcir S. Vicente de todos os desmandos de que tem sido vítima, como o demonstra a intenção de excluir a ilha dos benefícios do campus universitário que a China pretende financiar. 

É lamentável que este e outro tipo de desacerto tenha sido o que contribuiu para votar  a um estado de inoperância a ilha que mais personalizava o dinamismo e a pujança social e intelectual no país, arredada de um percurso outrora construído simplesmente pelo suor e pela inteligência de uma cidadania activa. 

O MPD, ainda sob influência ideológica de gente do Norte, Humbertos, Tonys Pascoal, etc, teve a boa ideia de transformar em 1992 o CFN  em ISECMAR, graças, julgo, às ideias de muitos quadros da Escola e também do  Humberto Cardoso,  o António Pedro Silva etc. De resto, tenho ideia de ter discutido nos anos 90 com os dois sobre a instalação, numa vasta área da Ribeira do Julião, de um campus futurista, quase utópico, pensando no modelo do campus americano. Se não estou em erro, até o Humberto Cardoso pensava mesmo no apoio do governo americano para a implementação do projecto. 

Tudo isso aconteceu numa altura em que se pensava em grande para S. Vicente, sonhando-se com projectos grandiosos para projectar a ilha  em função das suas potencialidades, mas sempre olhando para  Cabo Verde como um todo em que a cada parcela cabia o que era consonante com as suas aptidões naturais e não pelos critérios políticos nebulosos hoje dominantes na sociedade cabo-verdiana. 

Ribeira de Julião, há cerca de um século
Sonhava-se assim que S. Vicente tinha todas as condições para ser o grande pólo universitário, intelectual e cultural do país, com uma importância que poderia  inclusivamente projectar-se para a região africana. Estas ideias baseavam-se no pressuposto inatacável de que S. Vicente era então a única ilha que reunia as condições físicas e sociais para a instalação de um ensino superior de qualidade e orientado para o todo nacional. É que se sentia que na ilha perduravam ainda pulsões remanescentes da massa crítica que a tornaram o centro da actividade intelectual e cultural de todo o arquipélago e que aproveitar o filão não era mais que um dever de consciência e um imperativo histórico.

Todos sabemos que o espaço reservado da Ribeira do Julião viria a ser vítima da cobiça imobiliária e não se resistiu à tentação de alienar os terrenos para construção e angariar dinheiros para a Câmara Municipal da ilha. Quem visita o campus da Ribeira do Julião constata hoje o desperdício ali permitido ao consentir-se uma mistura inapropriada de zona  habitável e de campus.

Mas esse capital de  ideias fecundas  dos nos 80/90 que poderia projectar a ilha de S. Vicente foi desbaratado com a ascensão vertiginosa, a partir de inícios da década de 90 do século passado, da ideologia do centralismo ‘fundamentalista’ praticada pelos dois partidos do poder, a ponto de qualquer projecto de grande envergadura para S. Vicente ser hoje desde logo um nado morto, muitas vezes com a contribuição activa de uma elite mindelense alienada e quase toda ela convertida ao centralismo, graças à sedução de cargos e benesses que compram a sua liberdade de consciência. Nos anos 90, ninguém imaginava que a política do país viria a ser desviada dos seus propósitos legítimos por interesses  pessoais e de grupo que são a principal razão de ser do centralismo fundamentalista que se instalou no país e desvirtua os mais elementares princípios de equidade regional.

S. Vicente está exangue e sem esperança, à espera de novos ventos. Um poema diferente para Cabo Verde precisa-se.

2 comentários:

  1. Um dia virá que os filhos das ilhas terão direito ao que lhes vem de direito.

    Um dia virá em que cada grãozinho de terra terá o seu Capitão Ambrósio

    Um dia virá

    ResponderEliminar
  2. Este recado surge numa altura em que mais uma vez se prepara para excluir S. Vicente de um grande projecto nacional. Por isso, o meu aplauso ao autor.

    ResponderEliminar