terça-feira, 24 de março de 2015

[1457] Ainda o post 1452 sobre a rua então desconhecida... e agora reconhecida

Ver post 1452 AQUI, com mais comentários

O Pd'B agradece mais uma vez a sempre oportuna entrada do Zeca Soares, com material de primeira qualidade. Ter um fotógrafo de serviço no Mindelo, é outra loiça. Diz o nosso amigo, acerca das suas duas fotos:

Aqui está a rua «D'Canal Gelod» actualizada. Atrás do fotógrafo existia o prolongamento da mesma, com largura reduzida para menos de metade em forma dum canal que iria dar ao mar junto à praia (talvez a origem desse nome) e que separava um dos quintalões "Armazéns de carvão" na época, e a Alfândega, actual Centro Cultural do Mindelo. Não consegui localizar a placa com a sua identificação, talvez um travessa.



Alguns comentários do post 1452, para o leitor desprevenido perceber de que se trata:

O Prédio de dois pisos à esquerda é a actual Casa Miranda; no primeiro candeeiro à direita é a Luso-Africana, hoje "Clumbim"; o monte ao fundo é "Forca" ou Alto Solarina e nesse monte um pouco à direita fica a moradia do escritor Germano Almeida; esta rua é paralela à Rua de Lisboa no lado direito, e perpendicular á dos Correios e Telégrafo. Se a memória não me falha era conhecida por Canal Gelod. As imagens parecem ser do início do século passado
Zeca Soares

TEM RAZÃO O AMIGO MARCOS...RECORDO,  AGORA COM NITIDEZ,  POIS É O TAL CANAL GELOG, TRANSVERSAL DA RUA DE SENADOR, ONDE MOREI ALGUNS ANOS. SALVO ERRO, ESTA ZONA FOI SUBSTITUIDA POR UM QUARTEIRÃO DE APARTAMENTOS MANDADOS CONSTRUIR PELO ENG. SMITH, QUANDO GERENTE DA CASA CARVALHO.... PENSO EU DE QUE!
Braça com memória,
Zito Azevedo

Exatamente Zito, a Casa Alexandre de Carvalho ainda esta lá no cruzamento com da ex Rua Senador Vera-Cruz lado esquerdo da foto rés-do-chão dum destes quarteirões de apartamentos, construídos pela empresa do engenheiro Graciano nos finais da década de 60/70 do século passado.
Se o Djack permitir enviarei uma foto desta rua actualizada
Zeca Soares

3 comentários:

  1. Lembro-me do "Canal Gelod" que deixei (1954) e quando regressei para férias, 30 anos depois (1984) jà não se via q mesma âisagem. Fiquei mudo como fiquei quando a primeira foto apareceu aqui. Dei voltas e voltas mas... nada. Nessa rua morava um senhor cabo-verdeano que tinha o apelido de Mils e andava num automôvel descapotàvel parecido com o do meu pai mas mais recente. Hà poucos anos soube que sua filha, Genny, morava nos arredores de Lisboa.
    Existia outra rua paralela (entre a Western e casa do Comandante Brito) que também desapareceu. A rua (ruela?) era sinistra e ficou célebre por um policia (Fanec) ter assassinado um miùdo que ele perseguia. O crime foi ter apanhado um bocadinho de carvão na Miller's e ter fugido. E o policia foi absolvida. Imaginem !!!
    Outros tempos !!!

    ResponderEliminar
  2. Mais uma boa colaboração do Marco Soares permitiu o confronto entre o passado e a actualidade.

    ResponderEliminar
  3. Ora aí está a prova provada de que a memória ainda contem algum do fósforo original...E lá estão os apartamentos que vieram substituir as casas térreas de onde exalava um aroma caracteristico a ciré e mon ftchóde, por volta dos anos 40 do século passado.
    O outro canalinho a que o Valdemar se refere, creio que será a travessa de Cadamosto onde, aliás, morava o grande fotógrafo Vitória, cujo filho lhe seguiu as pisadas e onde participei em animadas sessões de desenhos animados em papel vegetal e projectados num lençol pelo já falecido Luis Beja...Bons tempos!
    Braça...
    Zito

    ResponderEliminar