quarta-feira, 6 de abril de 2016

[2115] Era Abril de 1972 e a alegria esmorecia...




3 comentários:

  1. Se eu tivesse tido dinheiro por essa altura, tê-lo-ia comprado para passar a reforma a navegar ininterruptamente entre as ilhas de Cabo Verde. E enquanto o Manuel de Novas fosse vivo, contratá-lo-ia, com bom estipêndio, para tocar e cantar durante as viagens, sentado na popa do navio. Ou seja, o Novas de Alegria teria vivido para sempre, com restauros sucessivos, porque depois passaria o testemunho a alguém da família que sofresse de talassofilia como eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas só depois de repor a quilha nas dimensões e formato original!
      Braça cauteloso
      Zito

      Eliminar
  2. Guardarei boas lembranças deste iate e de alguns dos seus tripulantes. Era sempre bem recebido quando chega a Dakar onde os ia cumprimentar ou entregar uma encomendinha.
    Ali conheci o Manuel de Novas mas também outros bons mocos que não tiveram a mesma projecção civil mas que não destoaram.

    ResponderEliminar