domingo, 26 de junho de 2016

[2223] "Mona Linda", um disco do grande Luís Morais. Do Pd'B para os saudosos... com um braça musical

Ora bem, a coisa era algo difícil e como tal não fiz disto concurso. Mas não era impossível descobrir o significado oculto do enigma, seguindo o que fui escrevendo e a pesquisa acertada, como escrever "Luís Morais" entre aspas e depois Gioconda, Loura, Mona Lisa ou LINDA, até lá chegar. Para aqueles que estivessem com atenção, o facto de eu ter redigido tantas vezes a palavra "LINDA" apenas com maiúsculas dava logo "aquela" pista...

O que mais se aproximou, foi o atento Zeca Soares que mesmo assim não disse o nome correcto do disco de 1972 (depois, em versão CD): era "MONA LINDA" e não Mona Lisa.  Eis então as imagens, com a tal loura que tinha a mania que tocava saxofone. Curioso é o facto de as capas do disco e do CD não serem idênticas, embora com a mesma loura (pelo menos parece ser ela, de igual modo no segundo) e o mesmo saxofone (no disco, há também um trompete que desapareceu no CD). Ampliei a imagem da contracapa do CD para poderem ler melhor os nomes das melodias que eram a coqueluche dos bailaricos são-vicentinos. Poderão ouvir "La Danza de la Chiva", AQUI, "Puede Ser" AQUI e "Alguien Canto" AQUI. Não encontrei a "Mona Linda" pelo Luís Morais mas poderá ouvir a música AQUI, noutra versão

Já ia lançar este post quando dei com um site onde se consegue dar uma vista de olhos por todas as músicas de "Mona Linda" na versão original. Ver AQUI

O disco




O CD


8 comentários:

  1. Fomos amigos, fui admirador do Luís Morais mas... não vou ouvir as músicas agora.

    Isso apareceu depois da fantástica passagem da nossa estrela pelo firmamento do Senegal onde, na capital Dakar, criou o seu conjunto cuja foto se pode ver no livro sobre o teatro.
    Acostumado às extraordinárias melodias nacionais (algumas até da sua autoria) nunca "vi com bons olhos" as suas composições caribenhas. Sempre achei que, ocupar-se da expansão de o que é nacional já era obra. Hoje não temos o Luís de Musa de Nhô Pitra mas o seu espólio é para sempre se nos concentrarmos na defesa do nosso patromônio de cuja origem alguns contestam..

    ResponderEliminar
  2. Depois do meu comentário no post anterior, me lembrei que tinha dado "Barraca" pois não era Mona Lisa, mas sim o disco chamava-se Mona linda. Pudera, já la vão mais de 40 anos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro, pelo menos tentaste e andaste muito perto da resposta correcta. Já não foi nada mau... E relembraste as picapadas em que participaste, o que te fez reviver. Isso é que interessa.

      Um braça com cumbia e outros sons caribenhos,
      Djack

      Eliminar
  3. E que Picapadas!!!
    Alguns com pés descalços, e em salas muitas das vezes de terra batida com luzes de "petromaxos" Ipólito, depois de longas caminhadas em noites escuras, a procura das salas de Bailes.
    Um abraço de canseira

    ResponderEliminar
  4. Esta da Mona Linda desconhecia de todo.

    ResponderEliminar
  5. E eu a julgar que Marcos Soares seria desta feita o grande vencedor! Esteve bem perto. Conheço o disco, mas do nome Mona Linda, não me recordava.

    ResponderEliminar
  6. Sou do Brasil, e ouço o original desde os anos 80 quando ainda bem novo comecei a explorar as raridades que minha mãe que é de São Nicolau possui. A extraordinária conservação deste exemplar em questão, fez com que anos mais tarde e por meios próprios eu o digitalizasse (remasterização), assim então montando um CD para mim. Aliás uma curiosidade: na contra capa do LP lê-se "LUIZ MORAIS" (com Z), e em segundo, no CD os arranjos são diferentes. Na minha opinião prefiro a versão original (LP). Não sei se por questão de ter me acostumado a ele, mas literalmente é um disco que me acompanha "desde que me entendo por gente" no que se diz respeito a apreciar boa música.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela sua participação. Apareça sempre e comente os nossos posts. Será um prazer para nós.

      Abraço,
      Djack

      Eliminar