sexta-feira, 5 de agosto de 2016

[2343] Coal times in St. Vincent (1/2)


5 comentários:

  1. Tanto carvão que parava na ilha! Das duas qualidades conhecidas e cujo nome se relacionava com os portos britânicos de exportação, Cardiff e Newcastle.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda recordo os miudos que mergulhavam do cais da Alfandega para irem ao fundo buscar as pedras de carvão que caíam das barcaças e das vagonetes do cais da Companhia e traziam-nos à tona, nuns saquitos de serapilheira que traziam seguro ao pescoço com um pedaço de corda...Para a cachupinha lá de casa, certamente!

      Eliminar
  2. Se não é "cardife" (Cardiff) é "nhocasse" (Newcastle) que cheirava mal e fazia muito fumo. Ninguém se preocupava porque o carvão era relativamente barato e estava à altura de todos. Mesmo assim, comprava-se a lenha na Nha Gadjome, na Rua do Côco. Penso que este combustivel vinha da Boavista, terra da célebre senhora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Val, o que fazia muito fumo era o "nhocasse".

      Eliminar
    2. Mais recentemente, as fábricas de panificação (Sport, Matos, etc.) eram alimentadas a lenha, importada às toneladas da Guiné e dos restos de madeiras nobres das marcenarias e carpintarias que trabahavam com o mogno e outras (pau-sangue, mussibi, etc) de Angola...

      Eliminar