sábado, 8 de outubro de 2016

[2610] Voando sobre um ninho... de iates


4 comentários:

  1. Os tempos passaram e outros costumes vieram. Antes eram as lanchas de carvão (Nacional, Miller's, Cory), seguidas das de fuel (Shell) e agora são os iates que não trazem tanto para a terra mas vão embelezando o Porto que agora so para nôs é Grande porque nôs de SonCente somos uns inveterados "bazofe".
    Cada um com o que tem, n'ê devera?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muda o que está em cima dele mas ele não muda: o mar. Está sempre ali, fiel à ilha, esperando que o tratem com carinho e o usem para dar de comer às bocas que São Vicente e o Mindelo têm.

      Braça atlântica,
      Djack

      Eliminar
  2. Não se ouve voz de gente no meio da baía chamando, nem latido de cão em convés alertando, ou sirene de embarcação anunciando. − Ah, tanto silêncio... tanta nostalgia nas águas da utopia!
    Só o iate fundeado na íris do porto resiste à sedução do vazio do escuro e do silêncio. Na sua coreografia de água, baila que baila, eu vejo que sim, bailando suavemente ao ritmo da ocasião instante e conforme…

    ResponderEliminar
  3. Claro que não se ouve nada, pois a foto foi feita a partir do Zeppelin "Adri Ático" cujo hangar é em Tomar, junto ao Nabão, por causa de algum possível incêndio.

    Braça com altura,
    Djack

    ResponderEliminar