segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

[2847] A escuna "John R. Manta", barco da carreira de Cabo Verde, motivo de mais um (longo) trabalho em capítulos, no âmbito das "Crónicas do Norte tlântico"


Cabeçalho de notícia de 1935

4 comentários:

  1. Infelizmente não foram poucos os naufràgios entre os EEUU e Cabo Verde. Paz à alma dos que tiveram a coragem de atravessar o Atlântico para unir os dois paises.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Não poucas vezes, foi o triste destino dos que ousaram desafiar o Atlântico em cascas de noz.

    ResponderEliminar
  4. Consta ter saido de Providence a 8 de Nov de 34 com dois valorosos capitães Albertino e Alberto Senna (pai e filho). Destino identico, mas no sentido contrario teve a escuna Matilde (1943), tive a oportunidade de falar com dois "sobreviventes" desta tragedia (por razoes diferentes acabaram por nao embarcar). Um deles é o filho do proprio capitao Henrique de lola... há muito a resgatar e contar. Como diz o Calu Gonçalves na sua cronica sobre o Zito, em CV não estamos a dar o devido valor à memória como se surgíssemos do nada, sem considerar o esforço, sacrificio de muitos, inclusive daqueles que em outros tempos fizeram o inimaginável para sobreviver e impedir o desaparecimento desta nossa nação... Bem hajam o BdB, Arroz C'Atum, na Esquina do Tempo...

    ResponderEliminar