sexta-feira, 10 de março de 2017

[2889] O vapor ex-"Norwich" e depois "Fortuna", da Empresa de Navegação Lda.

O "Fortuna", ainda como "Norwich"











Para saber mais sobre este navio, clique AQUI

Colaboração de Artur Mendes

Sob esta razão social pretendem os srs. José e Philip Santos Silva, negociantes na ilha do Fogo, formar uma empreza a vapor entre o nosso archipelago e os Estados Unidos da América. 

Achamos acertado e de grande utilidade o empreendimento d’estes nossos amigos pois ninguém, em Cabo Verde, ignora as vantagens que esta carreira traz à província e o benefício que com ella teem os caboverdeanos que emigram anualmente param a América e que até agora iam em pequenos palhabotes, mal acomodados, numa travessia de milhares de milhas, por mares bem perigosos, sendo até frequentes os naufrágios.

Com um vapor passa-se a fazer a viagem com rapidez e comodidades que em pequenos navios de vela se não podiam ter.

A nosso ver esta empreza tem muito futuro e todos quanto possam dispor de 50,000 reis para comprar uma acção empregarão bem o seu capital, pois certamente  os lucros serão remuneradores. 

Felicitamos os srs. José Philip Santos Silva pelo seu arrojado empreendimento, fazendo votos para a rápida resolução deste negócio e que em breve tenham notícias de ter o sr. José Santos Silva comprado o vapor que iniciará a carreira ainda este anno.

Este sr. partiu há dias da América para a Inglaterra, levando alguns milhares de dollars com que concorreu  para a empreza a colonia portugueza residente nos Estados Unidos. 

Na filial do Banco Nacional Ultramarino desta cidade estão depositados, de vários accionistas, como o anuncio no nosso jornal  7.250,000 reis e 4.315 dollars.

Avante pois, e oxalá que quem possa na província dispor de algum capital o não retraia, empregando-o nesta prometedora empreza.

in jornal "A Voz de Cabo Verde", algures em 1912, em mês anterior a Abril.

Notícia de "A Voz de Cabo Verde"  de 1 de Abril de 1912

3 comentários:

  1. Esta aquisição deve ter deixado radiantes os nossos antigos emigrantes. Mas nem por isso os palhabotes deixariam de fazer as suas arriscadas viagens. Não sei quanto valia a importância de 50000 mil reis na altura, mas não parece nada exorbitante.

    ResponderEliminar
  2. O Fortuna, teve má fortuna:

    Numa das viagens aos EUA foi abalroado por um navio russo.
    Embora o pleito lhe tenha sido favorável o tempo da demanda causou bastante prejuízo à Companhia, a concorrência era bastante "feroz" e o Fortuna II chegou muito tarde para a salvar. Entretanto,fica registada como a 1ª Companhia Marítima a Vapor 100% caboverdiana.(Já lá vão 105 anos)!

    ResponderEliminar
  3. Falava-se de "mil reis". Lembro-me que ficava-se de boca aberta quando uma pessoa ganhava "um conto de reis"...
    Era diazà, era na tempe de caniquina !

    ResponderEliminar