quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

[4041] Desfiguração da casa do Senador Vera-Cruz. Mais uma machadada do património do Mindelo, como sempre, sob a capa do progresso


Foi residência de uma das maiores figuras de Cabo Verde (e do Mindelo), foi sede (oferecida por ele) do primeiro liceu do arquipélago (abstraindo o Seminário-Liceu de São Nicolau que pertencia à igreja). Agora, é a desfiguração, em nome do progresso que para alguns tem sempre de ser erguido sob as cinzas do passado. Ou seja, parece que nesta terra (leia-se Mindelo...), para haver progresso, tem sempre de se destruir algo. Ó grande Augusto Vera-Cruz, deves estar a saltar no túmulo!...

8 comentários:

  1. Djack ainda não estou por dentro do projecto, mas discordo em deitar abaixo o muro/vedação de entrada do Edifício que faz parte de um todo. Nã estou por dentro das outras modernices. Aquele edifío que me parece do estilo Arte Nova é um conjunto, não se pode pretender deixar a fachada intacta introduzir modernices e mandar abaixo a vedação Segundo eles assim o povo tem acesso livreao novo centro. Santa demagogia naquela terra, parece que ainda não passou a febre do 25 de Abril. A vedação estava ali para limitar o acesso!
    Assim a nossas referência vão-se esfumando. Só falta uma requalificação da Praça Nova.
    O que me intriga é na Praia o pouco ou nada que há é requalificado no respeito da traça original

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro José, é obviamente ridículo dizer que aquele muro limitava o acesso da população ao local. É tão ridículo que até faz impressão. Toda a gente tinha acesso àquele espaço, desde que estivesse aberto. E estava. É mesmo tentar fazer dos outros parvos, dizer uma enormidade dessas. Mais dia, menos dia, só restará o Monte Cara na identidade do Mindelo. O resto, será obra de arrivistas e patos-bravos.

      Braça com mais um sino a dobrar pelo Mindelo,
      Djack

      Eliminar
  2. Amigos, o novo edifício é na parte ANTERIOR depois do quintal, inclusive, entre o edifício antigo (que vai ser RESTAURADO) e o novo, vai nascer um NOVO ESPAÇO PÚBLICO. O projeto é belo e será muito importante para a nossa cidade.

    Vejam o vídeo com apresentação digital aqui:

    https://www.facebook.com/cultura.caboverde/videos/1373067586169608/UzpfSTQxNTUzMTI5NTMxMDYzOTo5Nzc2OTc3ODkwOTM5ODQ/

    Abraço fraterno

    ResponderEliminar
  3. Complementando o comentário anterior: Mais uma vez, estamos a falar de dois edifícios, no complexo. Um, o antigo, vai ser restaurado. A sua exposição permanente vai estar num espaço nobre ao qual vai ser dado o nome de Manuel Figueira. O novo edifício irá para o mesmo local onde estava o mais moderno que não tinha qualquer característica arquitectónica especial que mereça realce. Nada mesmo. As duas galerias desse novo edifício também terão batismos próprios, homenageando Luisa Queirós e Bela Duarte. Os muros entre os dois edifícios desaparecem, criando o aparecimento de uma nova e agradável praça. Nenhuma árvore será cortada. O poço de água que existe ali será mantido. A altura do novo edifício varia e acompanha a altura dos edifícios contíguos. Do lado esquerdo será mais baixo e terá um pátio com vista para a Praça Nova e do lado direito mais alto cobrindo, repito, uma fachada lateral muito feita de um prédio construído ali ao lado. È uma obra emblemática, belíssima e que trás outras surpresas relacionadas com a cultura e os artistas do Mindelo que não se podem revelar agora. Não sou apenas totalmente a favor da obra. Sou adepto e defensor da mesma!

    Abraço fraterno

    ResponderEliminar
  4. Caro João,
    O meu obrigado pelo reaparecimento, pelas informações e pelo filme. No que me diz respeito, só lamento esse derrube despropositado e sobretudo desnecessário do muro e gradaria que faziam parte do visual do sítio e eram uma das referências do círculo habitacional da Praça Nova. E nem sequer era uma adenda recente (aí, sim, estaria de acordo com o bota-abaixo), pois ou sempre existiu ou pelo menos já lá estava em 1925, como se pode ver aqui: https://mindelosempre.blogspot.com/2014/07/0956-ainda-o-senador-vera-cruz.html
    Ou seja, não é por ser um simples muro e uma modesta gradaria que é menos importante, em termos de memória. Imaginemos, por exemplo o lisboeta Jardim da Estrela (bem conhecido dos cabo-verdianos que vieram para Lisboa nos anos 60 e 70) sem a sua gradaria… Enfim, agora o que ali temos é (ou vai ser) outra coisa.

    Grande abraço,
    JS

    ResponderEliminar
  5. Bom eu com coisas em CV sou como STomé vou esperar para ver a obra completa se respeitaram a História que encerra este edifício. Portanto para já não bato palmas até ver. Se houver respeito pelo edifíco continuo a questionar a demagogia discursiva metendo palavra povo em todos os molhos. Eu também sou povo não tenho acesso a tuudo a toda a hora e quando quero. O Muro de vedação faz todo sentido para além de fazer parte da obra como um todo.

    ResponderEliminar
  6. Bem, fico mais esperançado depois de ouvir os esclarecimentos do João Branco.
    Vamos ver, vamos ver...

    ResponderEliminar
  7. Também aguardo o que diz o nosso amigo João Branco. So depois acredito.

    ResponderEliminar