segunda-feira, 6 de julho de 2020

[4636] O funeral do Totói, antigo craque do Mindelense e velha glória do União de Tomar, visto por Adriano Miranda Lima

Praia de Bote agradece ao amigo Adriano Miranda Lima este texto sobre uma figura estimável dos nossos dois países que mesmo na morte é mais um motivo para nos unir.

Totói - Foto Rádio Hertz - Tomar (pormenor)
Tendo falecido na noite do passado dia 3 de Julho, aos 81 anos, foi hoje [5 de Julho de 2020] a enterrar o jogador Totói, de seu nome oficial António Eduardo Fortes, antigo craque do Mindelense e velha glória do União de Tomar.

O corpo esteve esta manhã em câmara ardente na Igreja de Santa Maria do Olival, onde foi celebrada missa, com a presença de centenas de tomarenses, dentro e fora do templo, antes do longo cortejo fúnebre que iria organizar-se em direcção ao cemitério local, em Marmelais, arredores da cidade. A cidade não olhou para o intenso calor e esteve significativamente representada na hora do adeus ao seu ídolo.

O pároco foi de exemplar eloquência na exaltação das qualidades humanas, morais e cívicas do falecido, assim como do precioso legado que deixa à cidade como futebolista e como técnico dos vários escalões e camadas de formação do clube local. Interpretando o sentimento geral da cidade, foi de particular veemência na descrição das virtudes do Totói como ser humano, destacando a sua grande capacidade de relacionamento e a simpatia e naturalidade com que tratava toda a gente, independentemente da idade e condição social. Aliás, bastava olhar para os semblantes carregado de quantos assistiram às exéquias fúnebres, para se perceber que o sacerdote não falava em vão.

Durante o acto religioso, a filha mais velha usou da palavra de forma emotiva, recordando o pai extremoso e o dedicado chefe de família, dizendo que até ao fim da sua existência ele será sempre o seu fiel guia, inspirador e companheiro.

O cortejo fúnebre entre a Igreja e o Cemitério levou à frente uma comitiva do União de Tomar, com representação dos vários escalões do clube. O curioso foi ter-se visto, logo no início do percurso, uma camisola da Selecção de Futebol de Cabo Verde aberta e pendurada numa haste ladeando a estrada. Pareceu-me um gesto anónimo, pois não vi que alguém estivesse identificado com a iniciativa, mas interpretei-o como querendo sinalizar que o Totói era um homem de coração grande e ancorado em todos os lugares. De facto, acredito que até ao fim da vida ele nunca deixou de ser um mindelense autêntico, do mesmo modo que soube ser um tomarense dedicado e comunitariamente envolvido e comprometido. A popularidade de que gozava não era produto de qualquer artifício publicitário, resultava simplesmente da sua forma natural e autêntica de ser e de se dar.

No funeral, estiveram presentes, entre outros nomes ligados ao Futebol, o treinador Manuel José, seu compadre e antigo colega no União de Tomar, e também o actual técnico do clube Santa Clara, João Henriques, natural de Tomar. 

Uma imagem que guardarei sempre do Totói reporta-se ao já longínquo ano 1965, quando, numa noite dos princípios de Novembro, pela primeira vez o vi em Tomar, sem, no entanto, ainda o conhecer pessoalmente. Ia na rua Infantaria 15, impecavelmente vestido, trajando um elegante fato e sobretudo. Naquele tempo, havia certo primor com a indumentária. Entretanto, saí de Tomar, com destino a Angola, e só alguns anos volvidos regressaria à cidade, estabelecendo então com ele uma grande amizade, fomentada naturalmente pela nossa dupla condição de mindelenses e adeptos fervorosos do futebol. 

Descansa em paz, Amigo Totói. E até sempre!

Tomar, 5 de Julho de 2020
Adriano Miranda Lima

1 comentário:

  1. Conheci o Totoi ainda menino tapeteando bolas de trapo com o seu gémeo na estreita Rua Sà da Bandeira (Sambandera) e a seguir defendendo as côres do seu Mindelense. Depois encontramo-nos em Bathurst (Gâmbia) num Torneio onde defendia as cores de Cabo Verde que eu representava no evento. Poucos anos mais tarde havia de reencontrar, casualmente, o impecàvel atleta e a esposa, Nôs os três de passagem por Lisboa; e Totoi sempre o mesmo Cidadão exemplar.
    Requiem In Pace. O Homem foi mas deixou um legado.
    Apresento à Familia enlutada e a todos os seus amigos as minhas sentidas condolências

    ResponderEliminar