quarta-feira, 27 de junho de 2012

[0192] DE COMO UMA FOTO COM DONO PASSA A FOTO SEM DONO...

A coisa começa no dia 7 de Maio de 2012, em "A Semana", num artigo intitulado "Movimento para a salvaguarda da residência do químico Roberto Duarte Silva: edifício vai ser exploratório de ciências". E continua a 13 do mesmo mês, em "Funco - Portal de Arquitectura de Cabo Verde" (que cita como fonte, e bem, o dito artigo de "A Semana").

A imagem que ilustra ambos os artigos é aqui do PRAIA DE BOTE, digitalizada por ele, a partir de foto em papel que o mesmo PRAIA DE BOTE fez em Santo Antão no dia 23 de Julho de 1999 e mandou revelar em S. Vicente.

Esta nota é só para ficar o registo de propriedade intelectual. Que quanto ao resto, que se lixe, pois o excepcional Roberto Duarte Silva merece a apropriação e o PRAIA DE BOTE até sabe que só se copia o que é bom... Mas, com franqueza, o nome do PB podia ter sido inserido na primeira notícia... ai podia, podia, mas não o foi...

Aqui vai ela, mais uma vez, que noutro local do blogue também pode ser vista.


8 comentários:

  1. A propriedade intelectual, não sendo coisa sagrada é, no entato, coisa séria...O mínimo que os "copistas" podem e devem fazer é citar as fontes e pedir vénia para a reprodução...Nós fazemos isso, uns aos outros, dentro do maior respeito pelo que não será de mais pedir o mesmo respeito "aos de fora"...É uma questão de honestidade mental!

    ResponderEliminar
  2. Ao menos a casa do químico Roberto, safou-se. A do sobrinho-neto Adriano, foi o que se sabe.

    João Nobre de Oliveira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Crime!", dizemos nós todos, cabo-verdianos e aderentes!
      Quem atira um coco ou um saco de pozolana à cabeça dos patifes que o fizeram?
      Braça, João

      Eliminar
  3. Comentário do nosso amigo Valdemar Pereira:

    1 - O Governo de Cabo Verde fica pior que uma barata quando se fala de MUSEU. Vão a ponto de cortar na raiz qualquer iniciativa que não esteja de acordo com os seus preceitos. Bolas que é demais. Até edifícios adequados foram deitados abaixo ou preteridos. Que permitam - ao menos - que privados se ocupem disso (mas sem qualquer interferência...) porque muitos há de boa vontade.

    2 - Pessoalmente, acho irreverente o "roubo" da foto do presente artigo. Digo roubo porque foi apoderada sem autorização do dono e sem qualquer alusão. Amigos, assim não vale. Não vou dizer ao proprietário (blogue Praia de Bote) para pedir direitos de autor mas - que diabo - uma alusão seria de bom tom. Tanto mais que o "Praia de Bote" é pessoa de muito mérito que vem trabalhando afanosamente para a divulgação da caboverdianidade e de Cabo Verde, sua terra de adopção.

    ResponderEliminar
  4. Quanto ao primeiro caso, digo: "Um coco na tola!"
    Quanto ao segundo caso, digo: "Um caroço de manga no mesmo sítio!"

    ResponderEliminar
  5. Eles não sabem o que é crime de lesa cultura, a menos que a única cultura que entendem seja a de Santiago.

    Adriano

    ResponderEliminar
  6. A foto passa do olho do fotografo para sua mente e cria um quadro seu, todo seu. ùnico porque reproduz este exato instante entre o olhar e o tornar memorável.
    Roubar fotos é crime previsto em lei, mas muito pior que a ilegalidade é que roubar fotos é roubar olhares!
    Djack, vc nem chamou mas eu vim!!!

    ResponderEliminar