quinta-feira, 23 de maio de 2013

[0463] O rebocador "Shell Matiota"

O "Shell Matiota" no Porto Grande, com o cais acostável em fundo, pelo que a foto deverá ser posterior a 1961
Era um bicho imponente, forte e destemido. A sua silhueta era inconfundível, fazendo do cais da Shell poiso predilecto. Com 136 toneladas, fora construído em 1929 nos estaleiros IHC Gusto Engineering, em Schiedam, Holanda. 

Primeiro, chamou-se "Matiota", até 1953. Depois, ao que supomos por ter sido adquirido pela Shell, tomou até 1973 o nome pelo qual foi mais conhecido, "Shell Matiota". Mas num dia desse ano, alguns trabalhadores cabo-verdianos dos estaleiros da Lisnave (Gaslimpo) que o conheciam do Porto Grande, devem ter ficado bem surpreendidos quando o viram rasgar as águas do Tejo ao serviço da sua empresa, desta feita com o nome de "Encrespado". E foi com essa designação que o velho rebocador terminou os seus dias, no início da década de 80, sendo considerado o último do porto de Lisboa a trabalhar a vapor. Um feito, para o "Matiota-Shell Matiota-Encrespado", que durou cerca de meio século e cruzou águas de dois continentes mas de apenas um oceano.

O "Encrespado", em serviço no Tejo - Foto de Luís Miguel Correia



5 comentários:

  1. Nessa época em que vivemos, em que as pessoas parecem mais desprendidas, os jovens não imaginam o prestigio que o "Matiota"inha no Porto Grande, Quem gostava de ir ver o Porto e se interessava pelas coisas do mar tinha uma adoração por este imponente rebocador que dominava os outros (mais modestos) que pertenciam à Nacional ("Mindelo") ou à Cory & Bros ("Cory").
    Os meninos da minha toada contavam uma estória que nunca quis saber se era verdade ou mentira pois queria que ficasse assim no meu imaginário. - Dizem que num dia de borrasca o cargueiro português desgarrou-se e ia para a Galé. O vaporim (falava-se assim como se fosse um sportim de cinema), que sempre estava de stand by, saiu logo do seu cais (o da Shell) e foi ao encontro do (quase) sinistrado. Conseguiu, é claro, trazer o barco e, a partir desse dia, nunca mais pagou imposto.

    Se o rapazim de Capitania, ou de Pota de Praia, vier dizer-me que é uma lenda eu respondo-lhe: - Que seja contada para que se veja como as gentes dessa ilha são quando gostam de algo ou alguém.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mnine d'ponta d'praia limita-se a ir buscar as memórias do Mindelo, do seu Porto Grande e de São Vicente em geral, enterradas nas profundezas do tempo e a dar-lhes nova oportunidade de vida. Sim, porque as memórias vivem se nós as deixarmos saltar cá para fora.

      Braça rebocada,
      Djack

      Eliminar
  2. Boas memórias do "vaporim", como as pessoas dsesignavam, carinhosamente, o roncador, que cruzava as aguas tépidas da baía, imponente, a toda a brida, provocando ondas que faziam dançar alguns botes para desespero dos remadores, e deixando sobre o verde-azul das águas um rasto de espuma branca, fervilhante, belo como um vestido de noiva...Memórias de "vaporim", memórias da minha infância alegre, despreocupada, feliz, vogando para lá do horizonte, confundindo-se com a palera de cores fortes de pores-de-sol indescritiveis, por detrás do Monte-Cara, sentinela milenar da morabeza minelense! Ah! Vaporim...
    vaporim!...

    ResponderEliminar
  3. É uma surpresa para mim saber que o Matiota terminou os seus dias no Tejo, rebaptizado com o nome de Encrespado. As coisas que o nosso Joaquim sabe!
    Acompanho o Zito na sua evocação nostálgica da memória do "vaporim" Matiota. Sinto o mesmo, amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pela companhia, na evocação destas pequeninas coisas que deram e continuam a dar algum colorido à nossa vida e que, sobretudo, nos fazem paladinos da pacífica centúria dos que sentem as coisas com que o destino os confronta e delas tomam posse não como tesouros mas como partes constituintes de um eu que se projecta para além das fronteiras físicas...Estranhamente, no entanto, a eteriedade destes fenómenos sensoriais adquire, não raro, uma consistencia quase orgânica, palpável, denunciadora de uma vontade indómita de identificação quáse visceral...Paixão?

      Eliminar