domingo, 6 de outubro de 2013

[0582] Sem palavras: mais uma foto recente da Praia de Bote, apoiada pela já vista há dias, como companhia (Setembro.2013)

Foto José Carlos Marques

Foto José Carlos Marques

16 comentários:

  1. Não sei quem será a figura reproduzida na estátua granitica que repousa, prosaicamente, entre dois botes...Talvez porque se trate se algum navegador tem o areal a seus pés e as pequenas ondas à distancia de um passo...Não me ocorreria melhor local...Julgo eu!

    ResponderEliminar
  2. É o que dá não ler os jornais da terra, onde escrevem "grandes" colunistas!... Mas essa gravíssima e indesculpável falha será colmatada dentro de segundos, com o envio "express" de toda a história da estátua do navegador e povoador Diogo Afonso. De qualquer modo, de certeza que a viu na Praça Estrela, antes de ela estar aqui, onde de facto se situa melhor. Quanto ao escudo português que se vê na base, é o que estava no desaparecido padrão de cimento também dedicado a Diogo Afonso, junto ao miradouro Craveiro Lopes.

    Braça estatuária,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Recebi com toda a atenção toda a história do monumento cuja resença na Praça Estrela me não é estranha, agora que sei de quem é...Continúo, no entanto, convencido de que, fosse a figura quem fosse teria que ser de alquem respeitavel aos olhos do povo de S.Vicente e, por isso, merecedora, quiçá de outro pouso mais condizente não tanto com a natureza marinha da pessoa mas por via da sua importancia histórica...Uma questão de mera dignidade!

    ResponderEliminar
  4. Sim, sim, mas nos idos de 70 ainda ainda esteve uma temporada a "repousar" das viagens no quintalão da Vascónia ou coisa assim parecida... Porém, como o povo de S. Vicente é "gente drête", voltou a erguer-se, desta vez frente ao mar, em muito melhor local que antigamente.

    Braça com justiça verdadeiramente popular (e neste caso mindelense),
    Djack

    ResponderEliminar
  5. OK, OK... Percebi que o primeiro comentário do Zito continha uma ironia. A minha reacção a esta fotografia é esta: feio, abjecto, desleixado, horrível, terceiro-mundista!!! Estou a referir-me à imagem deste pedaço da praia de bote mas também daquelas casas que se vêem em reboco, coisa hoje muito vulgar em Cabo Verde. Esse trecho da Praia de Bote que se vê na foto reflecte uma imagem que nada tem a ver com alguma memória que guardamos do lugar e que é aqui de vez em quando enaltecida. É preciso "limpar" certas áreas da cidade e evitar que a impressão de degradação nos atinja de forma tão crua. Se alguns dizem que isso é exótico, responderei que o exotismo não tem de ser sinónimo de abandono e ociosidade. É claro que os gajos que lá pousam em permanência (coitados!) não têm culpa de estarem desempregados, mas mesmo assim sempre se pode fazer alguma coisa para melhorar a imagem da cidade e daquilo que pode ser uma atracção turística.
    Quanto à estátua, urge colocá-la em local mais digno e mais dignificante, pois há que respeitar a História, e no caso em apreço está em causa a nossa origem histórica. Penso que há solução, bastando que os responsáveis abram os olhos.

    ResponderEliminar
  6. E, pronto...Para quem gosta de tudo muito bem explicado até ao pormenor, que às vezes são pormaiores, o amigo Adriano falkou...Falou e está falado! Eu, pelo menos, estou perfeitgamente informado...

    ResponderEliminar
  7. Pd'B concorda com o arguto Adriano em quase tudo o que ele disse sobre a Praia de Bote e a Rua de Praia. Porém, o local onde agora se situa a estátua do navegador é muito bom, mesmo ao lado da Torre de Belém. Pena é de facto o sítio estar tão sujo e que não seja engrandecido com outro enquadramento: um pequeno arranjo de relva ou de empedrado, por exemplo.

    Brala estatuária,
    Djack

    ResponderEliminar
  8. Não consigo resistir, e tenho que questionar a veracidade destas duas fotos.
    Na primeira deixei passar em branco, mas agora não tenho dúvidas de que se trata duma montagem, e com fotos muito antigas. Eu estou em casa, e passo todos os dias mais que uma vez na rua de Praia, e não é preciso entrar num bote para ver que não existe tantas árvores frondosas assim na Praça Estrela.
    Na segunda foto, o Liceu Ludejero Lima esta demasiado perto do Praia de Bote, com o agravante daquele poste de iluminação do Estádio da Fontinha, não ser visível a partir desse ângulo
    Com o divido respeito pelo trabalho do fotografo, parece que qualquer dia terei que esclarecer eu próprio esta duvida, se até lá a verdade não for reposta.

    ResponderEliminar
  9. Caro amigo Marcos Soares, não creio que tenha sido feita qualquer montagem. Se assim tivesse sido, penso que o fotógrafo me teria informado. Para além de que não tinha absolutamente nenhuma razão para o fazer. Ele ama o Mindelo, tal como todos nós. Mas logo veremos se deu algum retoque para tornar a imagem mais bonita. Fui ver uma foto do Liceu Ludgero Lima e parece que sim, que daquele ângulo será possível vê-lo, até porque sei que a máquina tem uma objectiva potente e trabalha em alta definição. Quanto ao arvoredo, acho-o de facto muito frondoso, mas o meu amigo que está aí, saberá melhor como estão essas árvores. Aqui temos um curioso mistério para ser resolvido.
    Ver foto da Praça Estrela de outro fotógrafo em http://fotos.sapo.pt/nanidelgado/fotos/?uid=aoDmgCNGcigA2ZaJzwuZ#grande

    ResponderEliminar
  10. Vendo melhor essa outra foto que indiquei no anterior comentário, acho que poderá ser isso mesmo. A máquina é tão potente que apontando entre o Boca de Tubarão e a Vascónia foi acertar não em árvores próximas (essas menos frondosas) mas nas outras lá mais adiante, junto ao Ludjero Lima. Se virmos bem, já estão um pouco desfocadas, em virtude da grande distância a que estão, tendo no entanto coberto grande parte da imagem e dado um aspecto de floresta tropical.

    Comentários, desejam-se!

    ResponderEliminar
  11. Relativamente a ser uma montagem com fotos antigas, isso então é impossível. Ele não ia ao Mindelo há 50 anos e nessa altura só usávamos preto e branco. A haver truque, só pegando em pedaços de árvore da imagem e multiplicando-os como acontece por vezes, por exemplo, para tapar fios de electricidade.

    ResponderEliminar
  12. Depois do alerta dado pelo Marcos Soares, passei a olhar e melhor e não é que existe de facto algo de estranho nas fotos? Montagem? A verdade é que em Julho do ano passado estive no Mindelo, passei várias vezes pela Praia de Bote e não me lembro de ver essas horríveis torres em reboco visíveis logo atrás da antiga casa com sobrado em primeiro plano. Parece acachapado em cima da Praia de Bote um amontoado de imagens que não me parece pertencer ao conjunto. Há de facto algo de estranho nisto tudo, e tão veemente é ele no efeito desagradável que produz que a minha reacção teve de ser aquela que exprimi no comentário.

    ResponderEliminar
  13. O mistério adensa-se e é bastante estimulante!... Mas só recorrerei ao autor se o amigo Marcos Soares fizer umas chapas que refutem estas. Acentuo no entanto que a perspectiva é quase completamente nova. Nós não estamos habituados a ver aquela parte do Mindelo a partir do ângulo que o fotógrafo utilizou e isso pode mudar tudo.

    Braça com fotos complexas,
    Djack

    ResponderEliminar
  14. Não creio que estas imagens sejam obra de uma qualquer lente panorâmica com intuito de retratar a realidade. Há aqui uma distorção com intenção de maltratar a verdade. Esperemos que o Marcos Soares faça de Sherlock Holmes, mesmo sem mandato de Sir Arthur Conan Doyle, para rápido apuramento da verdade.

    ResponderEliminar
  15. Muito Bom Dia Sr. Joaquim, adoro o seu Blog que me esta a ajudar muito em um trabalho que estou a fazer para a Universidade. Enviarei uma mensagem ao seu email. Continue sempre som esse blog

    ResponderEliminar
  16. Fico muito satisfeito com esse facto. Um dos propósitos deste blogue, talvez o maior, é divulgar a cultura e história de Cabo Verde. Se conseguirmos esse desígnio, será uma alegria para nós.

    Braça académica,
    Djack

    ResponderEliminar