segunda-feira, 25 de novembro de 2013

[0638] Crimes, mortes, suicídios e outras desgraças na América cabo-verdiana

Para breve, no blogue parceiro "Esquina do Tempo", mais uma "Crónica do Norte Atlântico". Desta vez, em tom de policial, desvendando um viver hoje algo esquecido de cabo-verdianos da América no século passado e do anterior. Para aguçar o apetite, aqui ficam a introdução e o primeiro parágrafo. Como habitualmente, o artigo completo que já saiu no jornal "Terra Nova", será de novo dado à luz no "Esquina do Tempo" e algum tempo depois no Pd'B.
O historial de crimes de e contra cabo-verdianos nos Estados Unidos da América é longo, na exacta relação do seu número com a antiguidade da secular permanência de gente do arquipélago naquele país. Temos vasculhado milhares e milhares de páginas de jornais portugueses, americanos e americanos de língua portuguesa e, embora sem conhecermos estudos científicos ou estatísticas que o provem, a nossa nítida sensação é a de que a comunidade cabo-verdiana não tem sido nem mais nem menos protagonista ou vítima de crimes que as restantes – incluindo, até 1975, data limite das nossas investigações, a açoriana, por exemplo. Deles, nalguns casos bem risíveis como o primeiro que relatamos, resolvemos fazer curta selecção para a presente Crónica do Norte Atlântico – quase todos do século XIX, excepto os dois últimos, já do XX.

Uma bofetada por mais de 100 dólares

Que relação teria Luísa Gonçalves com Salomão Gomes, ambos cabo-verdianos residentes em New Bedford, Mass., não o sabemos. Nem sequer que malfeitoria este lhe fez para ela assim reagir. O que é verdade é que a dita mulher, lá pelos finais do século XIX, pregou no indivíduo valente estalada. Claro que sofreu as devidas consequências jurídicas. Feita queixa pelo Salomão e ouvidas as partes em tribunal, o juiz aplicou à agressora 100 dólares de multa e pagamento de custas. Ainda assim, retirou-se a Luísa satisfeita, segundo parece, como rezava O Progresso Californiense[1], em 1885…


[1] O Progresso Californiense, 18.06.1885, p. 2.

1 comentário:

  1. Seria difícil que as comunidades cabo-verdianas não assimilassem o que de bom e mau encontram lá fora. Creio que por vezes, e em alguns infelizes casos, até refinam os métodos. Basta ver o que acontece com alguns repatriados para Cabo Verde.

    ResponderEliminar