quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

[0757] Agradecimentos e indicação para o regresso

NOTA de 21 de Fevereiro, posterior à feitura do post: Pd'B estranha que não haja comentários mais directos a este post. Ninguém conhece ninguém? Ó diabo, essas memórias andam fracas... ou então, de facto, ninguém conhece ninguém... mesmo!

Praia de Bote agradece aos amigos que deixaram aqui os seus votos de sucessos palestrais (ou que o fizeram por correio electrónico) e refere que o regresso se fará com a cobertura total da visita do Presidente Craveiro Lopes a Cabo Verde, em 1959. Para aguçar o apetite, aqui fica uma notícia de 1953, no Diário Popular, relacionada com o mesmo Presidente - e com Cabo Verde, como não podia deixar de ser.

7.Agosto.1953, p. 6
FILIADAS DA «MP» DE CABO VERDE CHEGARAM HOJE A BORDO DO SERPA PINTO

O Serpa Pinto, em local não identificado
Chegou hoje ao Tejo o paquete Serpa Pinto, com 382 passageiros, entre os quais diversos professores do liceu, que vêm passar as suas férias à Metrópole. A maioria dos passageiros procede de Cabo Verde e do Funchal.

A bordo vieram seis filiadas da «Mocidade Portuguesa» de Cabo Verde: Mafalda Augusta Cordeiro Furtado de Carvalho, de S. Tiago; Maria Vieira Ferreira, de S. Vicente; Annete Felicidade de Almeida, de Bissau [? – no DP de 31.Agosto, é dada como sendo de Cabo Verde]; Ester da Silva Barros e Gabriela Lopes Mariano, da Praia; e Cristina Duarte de Almeida, de Santo Antão. São todas estudantes do Liceu Gil Eanes, de S. Vicente, e acompanham-nas as professoras sr.ªs D. Maria Estrela Morais Barroco e D. Ondina Clarisse Barroco.

Emblema da MPF
No cais aguardavam as filiadas a comissária adjunta da «MP» Feminina, sr.ª D. Fernanda d’Orey; a médica dos Serviços Clínicos, sr.ª Dr.ª Alda Firmino; e grande número de filiadas, entre as quais as três que ontem chega-ram da Guiné. [Nota do Pd'B: estas filiadas juntaram-se a outras, das restantes colónias, tendo todas visitado lugares históricos e turísticos de Portugal continental. A 29.Agosto, as filiadas apresentaram cumprimentos ao Chefe de Estado, general Craveiro Lopes, e ao Presidente do Conselho, Oliveira Salazar. No dia 25.Setembro, pelas 15h30, regressaram a Cabo Verde e à Guiné as filiadas dessas colónias, por via marítima, no Ana Mafalda (DP, 24.Setembro).]

7 comentários:

  1. Ficamos a aguardar. Sobre essa viagem do Craveiro Lopes, tenho um livro, do qual enviei ao Djack alguns excertos há bastante tempo.

    ResponderEliminar
  2. Gabriela Lopes Mariano, irmã do mindelensíssimo Dante Mariano (falecido) que foi minha professora de português, da Praia?
    Eu estava convencido que era de S. Vicente, pois o pai dela sempre viveu na nossa ilha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente: “Entraram em exercício as professoras do Liceu «Adriano Moreira» desta cidade Dras D. Gabriela Lopes Mariano de Figueiredo e D. Judith Ribeiro de Oliveira Lima” (O Arquipélago, nº 24, 24/1/1963, p. 2).

      Eliminar
    2. E mais ou menos ao mesmo tempo, o maestro Jotamonte (Jorge Cornetim): “O maestro Jorge Fernandes Monteiro, vai ser contratado como professor de Canto Coral dos Liceus de Cabo Verde” (O Arquipélago, nº 109, 10/9/1964, p. 2).

      Eliminar
  3. Entre as filiadas da MP está uma de nome Cristina Duarte Almeida. Mas penso que há erro no nome próprio, que é "Crispina" e não "Cristina". Se se confirma, essa conheci muito bem porque foi minha vizinha em Fonte Cónego. Viria a licenciar-se em Matemática e foi professora (muito jovem ainda) no Gil Eanes do meu irmão, 2 anos mais novo que eu, e que vive em Almada, médico reformado. Eu ainda joguei futebol com o irmão mais novo da Crispina, de nome Carlos e licenciado em direito. Vive em S. Vicente, mas nunca exerceu a profissão porque passou a sofrer de um problema de saúde. A Drª Crispina vive em Lisboa mas passa temporadas em S. Vicente. Por sinal, a casa dela em S. Vicente fica mesmo frente àquela em que fiquei na minha visita ao torrão natal 2012. Mas não tive oportunidade de me encontrar com ela.

    ResponderEliminar
  4. Grande olho vivo tomarense!!! De facto, a senhora chama-se "Crispina" e não "Cristina". A gralha, tanto pode ser do próprio "Diário Popular" como minha, se a copiei mal manualmente. É que, dado o preço exagerado das fotocópias na Biblioteca Nacional, copio à mão as notícias pequenas e só as extensas as reproduzo em máquina. Para confirmar, fui escavar mais e dei com a indicação de um texto intitulado "Crónica do Cruzeiro da Mocidade Portuguesa Feminina", escrito por ela "Crispina Duarte Almeida" in "Cabo Verde: Boletim de Propaganda e Informação", n.º 51 de 1953. Ou seja, a então adolescente, ao invés de só passear, deixou relato escrito do passeio - que será curioso ler logo que a oportunidade se apresente.

    Grande braça para o atento coronel que assim recebe a Medalha de Atenção Exemplar, atribuída pelo Praia de Bote.
    Djack

    ResponderEliminar
  5. Obrigado pela verificação, Djack. Lembro-me de que ela era conhecida como uma excelente aluna. E o meu mano guardou boa lembrança dela como professora. Por acaso, não se casou, manteve-se solteirona.

    ResponderEliminar