quinta-feira, 17 de julho de 2014

[0961] Duas imagens repousantes de um Mindelo e de um São Vicente em início de povoamento, motivos do enigma dos posts 958 e 959

Diariamente, com metódica disciplina militar, o Pd'B faz algumas horas de pesquisa direccionada para Cabo Verde, sobretudo para São Vicente. Ontem, por caminhos que não estavam previstos, pois estávamos a trabalhar em artigo sobre a morna nos EUA, fomos parar à Livraria Estadual de Victoria, Melbourne Austrália e demos com duas imagens  fascinantes (aparentemente aguarelas) de um Mindelo e de um São Vicente quase como os que Diogo Afonso viu quando ali arribou. Trata-se de trabalhos de Charles Lyall, de 1854. Em 1852, São Vicente desanexara-se de Santo Antão e fora mandado ali construir o Fortim d'El-Rei com "sete bocas de fogo", para proteger a ilha. E em 1857 foi abolida a escravatura na terra do Monte Cara, antes mesmo de isso acontecer em Santo Antão e São Nicolau... É neste meio tempo que Lyall (do qual sabemos pouco e que gera alguma confusão com um Lyell, geólogo de nomeada que teve relação com Darwin - O Zito ainda falou dele...) faz as duas obras. Contudo, por aí não vamos, que o assunto não nos interessa agora, atarefados que estamos noutras aventuras arquipelágicas. Quem quiser, que mergulhe nele que lhe ficam muito bem esses "sentimentos".

Na imagem de cima, elaborado a partir da Praia de Bote, vemos o novíssimo Fortim (é possível que seja esta a primeira representação do mesmo) e já muito veleiros no Porto Grande (os dois da esquerda, a vapor). Em fundo, como não podia deixar de ser, Santo Antão; na de baixo, um caminhante passeia pelo campo, na direcção do Monte Verde (ou apenas olha para lá). A cruz, sugere um enterramento inicial ou suposta pequena capela que não se vislumbra para além da vegetação que a encobre.

Aqui ficam, pois, estas pequenas maravilhas boas para olhar e pensar, com um braça são-vicentino para os nossos leitores, falantes e mudos (que ambos os tipos merecem petiscos suculentos como estes).




3 comentários:

  1. Parecem aguarelas, efectivamente...Aliás, de qualidade técnica e artística...
    É soberba a postura de extasiamento do personagem solitário da segunda imagem, perante a grandeza telúrica que se depara aos seus olhos...
    Parabéns pela descoberta!
    Braça
    Zito

    ResponderEliminar
  2. Super Interessante. Uma pessoa até fica comovida ao ver esta imagens

    ResponderEliminar
  3. Parabéns ao Djack por ter desencantado mais estas maravilhas.
    Realmente, causa emoção aos filhos da terra, e aos adoptivos, ver imagens de S. Vicente que se reportam aos primórdios do seu povoamento. Grande trabalho do PdB!

    ResponderEliminar