segunda-feira, 15 de setembro de 2014

[1083] Fotos & Fotos, Lda., com Djô Martins, Foto Melo, o franciú M. Beaumont e mais alguém à mistura... (ver post anterior) Hoje, fala-se do dito "alguém"

Pois é verdade, a foto anterior foi feita pelo pai do dono do Pd'B, o antigo patrão-mor Narciso, da Capitania dos Portos de São Vicente, no dia 10 de Junho de 1965, quase há meio século. Nem mais!... O assunto é o desfile habitual comemorativo da data, que começava junto ao Palácio do Governo e terminava algures na Praça Nova. A formação abria com a charanga do Exército. Seguiam-se um destacamento do navio de guerra que ali estivesse estacionado (no caso, o contratorpedeiro "Lima", com o código de amura D333), tropas do quartel e o pessoal da Mocidade Portuguesa. Diga-se que o Djack seguia lá atrás e por isso não ficou em nenhuma destas fotos. No final, a Mocidade destroçava e cada um seguia para seu lado. Por seu turno, a força naval regressava ao navio no cais acostável e o pessoal do Exército subia rua da escola acima, destroçando no quartel.

A foto surge no acervo da colecção Jorge Martins, depois de ter ido pelo correio para sua casa, onde ele a digitalizou (já foi há um ctchada de tempe e nessa altura o Pd'B não tinha scanner), tendo depois regressado à base da mesma maneira. O Jorge até suavizou a mancha de humidade que na foto dele ficou com uma tonalidade cinzenta e na original está bem amarelada. O que é mais divertido é a dita foto estar a voar agora em todas as direcções, chegando a casa de mil e um cabo-verdianos, fazendo honra ao "pai fotógrafo", ainda hoje muito estimado entre os sobreviventes desses tempos de diazá. 

Praia de Bote publica mais duas, uma do porta-estandarte (infelizmente muito tremida) e outra da força do "Lima" que participou no desfile (se bem nos lembramos, esta também passou a fazer parte do acervo da colecção do Djô). Curiosa é a representação do muro e portão da "quintalona" onde pouco depois se erigiu o hotel Porto Grande, zona raramente vista em imagens da época. Interessante também é na foto da charanga o marinheiro à direita, com a parte superior da farda em azul escuro e calça branca, conjunto envergado pelas ordenanças dos navios ou instalações em terra e pelos militares em dias de festa ou em paradas, pela beleza do contraste mas que no ultramar era pouco utilizado devido às altas temperaturas locais: é que o fardamento azul era de inverno e em África dava um calor dos diabos...

Quanto à legenda da foto da charanga, é da mão da mãe do proprietário do Pd'B que assim fixou a data para sempre (as das restantes são idênticas).

Tudo explicadinho, como gostamos e convém, e sem concurso, pois o Pd'B só realiza concursos em que haja possibilidade mínima de os concorrentes chegarem a bom porto - coisa que aqui era quase impossível. Quem chegaria ao facto de a foto ser do pai do Pd'B? Só o próprio, pois claro!...



NRP Lima, D333



4 comentários:

  1. Bem bolado, Djack...Mas o mais reconfortante é extraír do seu texto o carinho e admiração que nutre pelos seus pais, especialmente pelo "patrão" Narciso...

    ResponderEliminar
  2. De facto, por vários motivos, sem eles, não haveria "o" Praia de Bote. E a haver, não seria tão rico sem que tivesses sido guardados muitos materiais que aqui têm aparecido, como estas fotos.

    Braça botal,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Imaginem O Djack está na origem disto tudo. Votou tudo para a casa do dono Praia de Bote, ah ahah

    ResponderEliminar
  4. O Djack explicou tudo muito bem e a mim cabe-me estender a mão à palmatória por ter situado o acontecimento para lá de 1970.

    ResponderEliminar