sábado, 8 de novembro de 2014

[1139] Cerca de 100 anos depois, uma classe intemporal

Pé descalço, cenário de estúdio fotográfico à moda da época, com mesinha de madeira para o recipiente com flores, mas uma inegável e fenomenal classe que atravessou o tempo e chegou até nós intacta. Um luxo, um verdadeiro luxo, dignidade de rainha!


12 comentários:

  1. 100 anos... e não só !
    Lembro-me de cenários parecidos nos dois ateliers em voga (Foto Melo e Foto Progresso de Nho Djunga) por volta de 1945.
    Quanto à indumentaria (e até sem sapatos) tenho ainda na memória a imagem da velha Mam Bernalda que foi a parteira de toda a minha Família do lado materno.
    Nesse tempo os meninos nasciam em casa e o hospital era quando havia partos complicados.
    Essa fotografia pode ser uma curiosidade de diasá para uns mas, para outros, como eu, é uma inexplicável sensação que sai de dentro. Acaba por ser uma viagem no tempo e num espaço que foi de vivência feliz baseada no respeito das pessoas e da preservação dos costumes.
    Avé !!!

    ResponderEliminar
  2. Lembro-me de, principalmente em criança, ainda ter visto mulheres idosas com este tipo de traje, em Cabo Verde. O xaile era muito usado.

    ResponderEliminar
  3. Muito me insurgi no Arrozcatum contra a prova de que não se é robot, citando o exemplo do PdB... E ei-la agora aqui. O que é que motivou a mudança, Djack?

    ResponderEliminar
  4. Não imagino o que será. Não mudei nada. Os blogues, de vez em quando, mudam por si. Basta ver que eu uso o Google Chrome há uma data de tempo e conseguia colocar mensagens sem problemas no Arrozcatum. De repente, isso acabou e agora só o consigo fazer indo ao Firefox que também tenho instalado mas que só me serve para ir ao Arroz. Coisas chatas. Vou ver se consigo desfazer essa história.

    Braça em tentativa,
    Djack

    ResponderEliminar
  5. Vasculhei, alterei mas acho que se ficou bem para os visitantes, ficou mal para mim pois agora não consigo colocar comentários com o Chrome. Resta-me o Firefox... Só chatices blogais.

    Braça tramado, Djack

    ResponderEliminar
  6. Esta foto também me traz algumas memórias, no entanto, recordo o uso quase generalizado do xaile mas em senhoras bem mais entradotas na idade..
    Quantos às dificuldades que parece terem regressado, Djack, eu nada fiz que as possa justificar e, como já confirmei, tambem só utilizo o Chrome...Desejo que a coisa passe por si,,,
    Braça esperançado,
    Zito

    ResponderEliminar
  7. A propósito das fotografias antigas, Walter Benjamin tem uma observação que diz mais ou menos, cito de memória, "devido à duração da fotografia e ao tempo da pose, eles acabavam por se instalar no interior da imagem"

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem a fotografia, seríamos de facto muito mais pobres. Viva ela!

      Abraço,
      Djack

      Eliminar
  8. Isto dos mecanismos dos blogues ainda não é grande coisa. Nem o Zito nem eu alterámos nada e uma vez por outra aparecem estes inconvenientes. Mas vamos sobrevivendo.

    Braça sem capacidade de resposta,
    Djack

    ResponderEliminar
  9. Veio-me à lembrança ...

    Nhô Djunga e Djessa, tinham casaco e gravata no estúdio para "compor carinha"..."usado na bilhete de identidade!

    Linda foto de autoria do amigo Djibla ( malandrice!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todas as minhas "carinhas" cabo-verdianas, cerca de meia dúzia, foram feitas na Foto Melo.
      "Trá um carinha", quem dirá hoje ainda esta frase?

      Braça com casa de fotografia com cinema acoplado,
      Djack

      Eliminar
  10. Para completar o comentàrio do A.Mendes:
    Os dois fotografos tinham outro material (de camuflagem):
    - Almofada para esconder,, eventualmente, pés descalços.

    ResponderEliminar