segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

[1206] Notícias de Santa Catarina (Santiago) - Rosa Mota será madrinha da Corrida da Liberdade, em 2016

A campeã olímpica assegurou marcar presença na corrida do próximo ano e mostrou-se disponível para ajudar a promover a prática desportiva no Município. “Quando regressar a Portugal, levo estes momentos inesquecíveis, os amigos que deixo nesta sala e o vosso carinho”, rematou Rosa Mota

A campeã olímpica portuguesa Rosa Mota aceitou, na manhã de hoje, ser a madrinha da 2.ª edição da Corrida da Liberdade em Santa Catarina de Santiago, que tem lugar em 2016. Rosa disse sim ao repto formulado por Francisco Tavares, que recebeu a atleta nos Paços do Concelho, em Assomada.

Foi num ambiente de grande informalidade e amizade que o Presidente da Câmara de Santa Catarina recebeu Rosa Mota e a empatia entre os dois foi logo registada no primeiro momento. Francisco Tavares disse ser uma honra receber uma referência do desporto mundial que tem sido inspiração para milhares de jovens atletas.

“Organizamos este ano a 1ª Edição da Corrida da Liberdade, mas somos um Município de referência em muitas áreas em Cabo Verde. O Primeiro-ministro é desta cidade e foi Presidente da Câmara daqui, até o Cardeal que acaba de ser nomeado é de cá, passando pela nata empresarial cabo-verdiana, que não está cá mas é daqui, e também pela Cultura. Somos um Município que tem muitas referências”, disse Francisco Tavares, estendendo o role de personalidades que honram Santa Catarina, também na área desportiva, como é o caso dos atletas Eva Pereira e Danilson Silva Pereira, que marcam presença na prova de amanhã.

Francisco Tavares disse, ainda, à atleta portuguesa: “a sua visita encoraja-nos, é um momento marcante deste ano, especialmente na véspera da Corrida da Liberdade. É difícil haver um cabo-verdiano que não saiba quem é Rosa Mota”.

A campeã olímpica agradeceu a simpatia e amizade com que foi recebida em Santa Catarina e prontificou-se a ajudar no que pudesse para estimular a prática do atletismo no Município. Mulher de causas, Rota Mota disse que “somos cidadãos, não estamos isolados, vivemos em sociedade, temos que partilhar, ajudar colaborar”, acrescentando: “ao estar a ajudar, fico mais rica do que sou, porque quando ajudo é sempre um pouquinho e recebo sempre muito mais, o carinho, um sorriso, uma palavra, é sempre gratificante e é isso que nos enriquece”.

“Quando regressar a Portugal, levo estes momentos inesquecíveis, os amigos que deixo nesta sala e o vosso carinho”, rematou Rosa Mota.

António Alte Pinho
Gabinete de Comunicação e Imagem
Câmara Municipal de Santa Catarina

1 comentário:

  1. Excelente iniciativa. Pena que não ouvi falar de uma comemoração em S. Vicente a ilha que foi determinante para a instauração da Democracia em Cabo Verde. A Democracia cultiva-se

    ResponderEliminar