quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

[1237] O abraço português do Praia de Bote a São Vicente, no dia da ilha: o guitarrista luso Joel Xavier e "Morabeza"

video

5 comentários:

  1. Este Dia de S. Vicente encheu-me as medidas, talvez mais do que aconteceria se estivesse no Mindelo, a pisar as suas calçadas.
    Se não vejam.
    Logo de manhãzinha, dei uma voltinha no “nvizim” S. Vecente, de nome assim mesmo escrito, a maresia a inebriar-me os sentidos e o rumor do vento a trazer-me vozes antigas. Num instante, S. Vecente levou-me do Paul ao "tchon" da minha ilha natal, vento de feição a emprestar-lhe asas de pássaro.
    Logo a seguir, Bana e Cize fizeram-me sentar num morro sobranceiro à nossa Baía, a ouvir as suas vozes inigualáveis, a brisa do mar a atenuar a inclemência do sol a pique sobre a minha cabeça. Queria suspender o tempo para ficar indefinidamente na sua companhia, mas o sino da igreja paroquial quebrou o meu embevecimento. Anunciava a procissão…
    Num ápice, meti-me na multidão e dei o braço à minha avó materna, católica devota, que nunca perdia a procissão deste dia. De passada lenta e arrastada, lá fomos murmurando uma prece, almas reconfortadas pela piedosa tarde cumprida.
    À noite, dei uma escapadela a uma discoteca e dancei ao ritmo de nhô Antone Escaderode, embalado pelas mãos musicais do Joel Xavier, em boa hora convidado para animar a noite mindelense. Ah, o povo da ilha não brinca em serviço mal “sol ta cambá na horizonte”…
    E foi assim um Dia de S. Vicente em cheio. Tudo graças ao nosso Djack, mindelense dos mais puros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais um belo e divertido texto do nosso coronel-plumitivo, um dos indefectíveis desta praia. Quanto ao resto, era mesmo necessário comemorar com stil o vicentino dia, pois é em São Vicente (e no Mindelo) que está o cerne deste blogue. E, com um certo orgulho, estou quase certo de que foi o Pd'B que melhor o comemorou no universo bloguista. Finalmente... viva Soncente!

      Braça em dia festivo,
      Djack

      Eliminar
  2. Por la também andei mas por lados opostos. Na Salina (Praça Estrela), chão de Toco Estrela, Miguel Patada e Antãozinho, os seresteiros, Subi a Rua de Matadouro (à porta da casa de B.Leza)antes de ir à minha Chã de Cemitério e, pouco mais além, Monte Sussego que já não é de terra vermelha mas de odores holandeses e outros mais. Eu também festejei o meu Soncente no lugar onde Lela de Preciosa fabricava os seus violões e o Hilàrio de Nha Sabina passava tardes inteiras dedilhando solos no seu banjo.
    Eu também festejei, mas, menos tempo, talvez mais depressa para não ter tcheu sodade.
    Braça devagarim

    ResponderEliminar
  3. Sim, Val, a saudade levou-nos até ao colo carinhoso da nossa ilha natal, no dia em que ela é ungida pelo seu santo protector. De certeza absoluta que não fomos os únicos viajantes, pois cada um o fez à sua maneira, Só que, sisudos, não nos querem dizer das suas aventuras.

    ResponderEliminar
  4. Escutei e apreciei. Boa interpretação. Maviosa e agradável. Bem escolhida a peça.
    Abraços
    Ondina.

    ResponderEliminar