quarta-feira, 27 de maio de 2015

[1529] Continuação do texto do "Diário Popular" sobre melhorias municipais em São Vicente

Ver 1.ª parte AQUI

2 - Diário Popular, 17.05.1954

(continuação)

À medida que iam sendo feitos os trabalhos de calcetamento a que aludimos, outras ruas, avenidas ou largos, já anteriormente calcetados, mostravam carecer de regularização dos pavimentos, cujo estado era de molde a causar apreensões especialmente a senhoras e aos condutores de veículos.

Praça ou praceta do Dr Regala
Dando remédio a tais inconvenientes, o Município foi, também, prestando a melhor atenção a outros aspectos urbanísticos e não esqueceu o aproveitamento de largos cujo aspecto era indigno e que serviam de vazadouro público. Daqui resultaram a Praça do Almirante Reis, com obelisco olímpico e coreto de música; a Praça do Dr. Regala, com busto do médico  do mesmo nome; a reconstrução da Praça do 1.º de Dezembro, a construção da Esplanada da Inglaterra, a reconstrução da Esplanada dos Aviadores e o arranjo do Largo dos Barreiros [ainda hoje, 2015, conhecida como Rua de Coco ou Largo do Cruzeiro], com padrão comemorativo do duplo centenário da Pátria.

A Esplanada de Inglaterra constitui um aprazível miradouro da cidade; a dos Aviadores dá-nos a medida do culto da Câmara pelos heróis nacionais [será a praça conhecida como da Dr.ª Francisca, a da sede da PIDE?].

Dos terrenos baldios já dotados de construções mas ainda sem cota e condições como centro urbano resultaram as seguintes novas artérias: João Machado (prolongamento); Rua de Isidoro José Maria Martins; corte das avenidas de Teófilo Duarte, de Marechal Carmona e Vial do Poeta Jose Lopes; Rua do Dr. Luís Terry; rua sem denomonação ao norte, passando pelos prédios de Manuel Velosa; ruas ao longo da encosta do Alto de Santo António; Rua Nova ao lado do Hospital; Ruas da Fonte de Cónego, do Monte, da Ribeira Bote, etc., algumas oferecendo boas perspectivas e constituindo motivo de agradável deambular.

Para que tais obras representassem, verdadeiramente, o que delas era de esperar no conjunto urbanístico, o Município não descurou as de higiene e salubridade, promovendo a existência de serviços sanitários, retretes, casas de lixo e esgotos, em grês e alvenaria, numa extensão de 2000 metros.

(continua)

2 comentários:

  1. Tinha eu então 10 anos, sem capacidade para me aperceber destas obras e poder dar hoje um testemunho sobre o seu impacto e utilidade.

    ResponderEliminar
  2. Trabalhei com o "Comandante" (*) uns oito anos e acompanhei a par e passo os movimentos de um homem que tinha amor à ilha que o acolheu.
    Ele deixava o trabalho às 16 horas e seguia logo para a Câmara. Quando havia necessidade de uma assinatura urgente, vinham encontrà-lo no trabalho.
    O sr. Julim Oliveira merece uma grande homenagem como Edil, benévolo e empreendedor.
    Avé !!!

    (*) Os antigos dos Sokol's nunca deixaram de o chamar "Comandante".

    ResponderEliminar