quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

[1900] Post 1900, um post a seco. Comente-o, se conseguir... e se é daqueles cabo-verdianos que vêm diariamente ler o Praia de Bote e nunca dizem nada, esta é a sua oportunidade de mostrar que é dos nossos


9 comentários:

  1. Vi esta foto diazà na munde mas de so dois me lembro por os ter conhecido na tchom de SonCente: - O segundo, de chapéu na mão, sequinho de carnes, como sempre, foi o professor do Liceu Gil Eanes D. João de Carvalho Daun e Lorena, mais conhecido por Senhor Pombal devido a sua nobre ascendência(bisavô da nossa amiga Carmo). A outra ficura de que me refiro, talvez a mais conhecida ainda (de fato claro e mão no bolso) é o ilustre Dr. Adriano Duarte Silva, advogado, professor, reitor, deputado, benemérito, que ainda não recebeu o reconhecimento do povo de Cabo Verde por tudo quanto fez para a sua terra em tempos muito conturbados e onde poucos ousavam abrir a boca de mêdo. A menos que fosse para dizer "sim, sim, sim

    ResponderEliminar
  2. Será que nós outros, podemos comentar?...

    Na fotografia apenas reconheci a figura do Dr. Adriano Duarte Silva, o "príncipe encantado de nôs ilha de sonho"... como canta a morna: "Dr. Adriano" que é bem bonita a melodia.

    Abraços
    Ondina

    ResponderEliminar
  3. Nada do que estes dois ilustres comentadores escreveram está errado. Mas, que fazem aquelas personagens naquele barco? Onde estão? Fotografia fortuita ou um grande momento da cultura de Cabo Verde, sobretudo de São Vicente? E não se trata de um vulgar encontro de amigos em hora de partida ou de chegada. Na realidade, é uma fotografia para a história, posso assegurar-vos, havendo ainda outra semelhante. Daquelas que deviam ser mostradas às novas gerações...

    Braça enigmático,
    Djack

    ResponderEliminar
  4. Foto interessante. gente fina e ilustre de SV e CV. Já viram a 'pose' deles? É pena que não saibamos o nome navio e o ano desta foto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu conheço a data, uma data que irradia luz e sabedoria. Não sei o nome do barco, mas isso para o caso não interessa. E também sei em que que porto ele está atracado. Não sendo isto um concurso, estou à espera de palpites - o que é sempre entusiasmante.

      Braça na expectativa,
      Djack

      Eliminar
  5. Sobre este assunto, lamento não poder dar qualquer palpite. Fico a aguardar outras intervenções, nomeadamente a do Djack, que tem tudo no seu rico e sempre actualizado arquivo.

    ResponderEliminar
  6. Os retratados fariam parte, ou estariam na Grande Exposição de 1940?...
    Será que é desta que passo o Adriano? Ele sabe tudo...
    Abraços esperançosos
    Ondina

    ResponderEliminar
  7. Nada de 1940, não senhor, essa data não foi grande coisa para a cultura de Cabo Verde. Lembrem-se das turras do B. Léza com o Henrique Galvão por causa das cubatas em que na Exposição dos Centenários queriam enfiar os cabo-verdianos como se eles fossem gente vinda do mato... Claro que o B. Léza ganhou a partida ao Galvão.

    Braça ainda à espera,
    Djack

    ResponderEliminar
  8. Não, Ondina, sou um pigmeu ao pé destes grandes detentores de registos e memórias, como são o Djack e o Valdemar. E disto não sei de nada mas sei que o post seguinte esclarece tudo.

    ResponderEliminar