terça-feira, 29 de março de 2016

[2085] Ainda a vida do Dr. Pedro E. Pereira, possível ancestral do nosso vice-cônsul... (ver post anterior)

Se a notícia anterior era de um jornal de língua portuguesa do Hawaii, esta é de outro, de língua inglesa (de finais de 1916) e com relato interessantíssimo de integração racial, onde nos surge Pedro E. (que já sabemos por outras vias ser "Eustáquio") Pereira. Repare-se nos restantes apelidos portugueses que tanto podem ser de cabo-verdianos como de madeirenses ou de outras "freguesias" lusas...



1 comentário:

  1. Ia dizer que o português e o cabo-verdiano foram e são ambos povos diasporenses. E são-no de facto, mas até que ponto se podia antigamente fazer essa destrinça de nacionalidade se ambos pertenciam à mesma pátria?

    ResponderEliminar