sexta-feira, 30 de setembro de 2016

[2536] Uma boa notícia, a do reachamento do "Acary"


Emanuel d'Oliveira
"Acary" - Navio afundado no Porto Grande durante a 1.ª Grande Guerra foi localizado

Com a necessidade de mergulhar nos naufrágios da 1.ª Guerra Mundial, no dia 6 de Novembro próximo, para a promoção da paz mundial, tivemos que procurar o "Acary", desaparecido da vista e da boca do povo mindelense há várias décadas. A ajuda providencial do mergulhador Manu Coronel e do veterano marinheiro de Praia d’Bote - Brás, permitiu a localização do muito provável destroço do "Acary", steam-ship brasileiro de mais de 4000 toneladas de arqueação bruta. A chuvada dos últimos dias dificultou ainda mais a busca. Foi praticamente tacteando na água lamacenta e com alguma sorte que vislumbrámos o que resta do que nos parece ser o "Acary".

O "Acary"
Dos dois barcos afundados pelo submarino Alemão U-151 em Novembro de 1917, apenas se ouvia falar do "Guiba" ou melhor "Guahyba". Isso devido ao facto de a sua proa ser visível até há poucos anos. Como constituía algum perigo para a navegação foi removida, tendo o resto dos destroços ficado submerso a poucos centímetros da superfície, passando a constituir, assim, um perigo ainda maior, particularmente, às pequenas embarcações de pesca e de recreio que se aventuram nas proximidades de Cova d'Inglesa.

Após o torpedeamento pelo U-151, o "Guahyba" foi rebocado para águas menos profundas na tentativa de recuperação tanto do próprio barco como da carga. O "Acary", que se encontrava ancorado mais perto da terra, passou então a ficar mais afastado e num local mais profundo (7-9 metros) e aí se quedou.

Com a descoberta dos vestígios do "Acary" a celebração da Paz com um Mergulho ganha mais sentido e o departamento de Museologia e Património do M_EIA marca um ponto importante na iluminação deste trecho da história do Porto Grande nos anos da guerra de 14-18. 

Recordamos que a cerimónia do Mergulho Para a Paz – Dive for Peace Day foi lançada pela UNESCO em parceria com a CMAS (Confederação Mundial das Actividades Subaquáticas). Em Cabo Verde a organização é do M_EIA (Instituto Universitário de Arte, Tecnologia e Cultura) com o suporte da Embaixada da França, CN UNESCO, CV Investimentos e IPC.

Emanuel C D’Oliveira
(Setembro 2016)

2 comentários:

  1. Interessante e valioso texto que tive muito gosto em ler. O Emanuel d'Oliveira vem dando um bom contributo ao Praia de Bote.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ... apenas uma pequena contribuição que não se compara com as excelentes informaçoes que venho recolhendo no PB...

      Eliminar