sábado, 22 de outubro de 2016

[2680] Hoje, Praia de Bote vai à Guiné, Com o nosso amigo Manuel Amante da Rosa

O "Corubal - Foto de autor desconhecido
Envio foto do "Corubal". dos anos 78/79, de autor desconhecido, à partida de Bolama e já uma sombra do que era, sempre limpo, bem pintado, airoso e sem mossas de espécie nenhuma.

Este acabou por ficar no canal de Bolama, junto dos tarefas porque alguém se lembrou de colocar um bidão de combustível perto do tubo de escape nos anos 80. A xxplosão parece ter matado mais de trinta pessoas. Ficou por lá a carcaça até hoje. 

O "Formosa" acabou encalhado perto de Bissau por terem considerado irreparável o motor após tantas azelhices.

Um Abraço.

6 comentários:

  1. Vendo a foto fico intrigado com aspecto que me dà: fuga de clandestinos ou refugiados.
    Vou aguardar a estôria que o PdB sabe bem contar porque isso não foi em data recente no Mediterrâneo.

    ResponderEliminar
  2. Efectivamente é intrigante ver tanta gente amontoada num barco de tão mau aspecto!

    ResponderEliminar
  3. De facto, parece um número excessivo de passageiros mas em África é habitual.

    ResponderEliminar
  4. Meus Caros, julgo que era o início de uma viagem de três a quatro horas, entre Bolama e Bissau. A sombra do navio projectada a bombordo leva-me a pensar que o sol já teria atingido o zénite duas ou três horas antes. A foto é tirada do cais de partida e o Corubal ainda teria de aguentar a travessia do do rio Geba nem sempre tranquilas. Apös a Independência com a ausência da autoridade das Capitanias dos Portos viajar sob qualquer forma ou meio passou a ser permitido. Os navios deixaram de ter fiscalização, manutenção regular e foram-se degradando até vermos como ficou o Corubal. Uma autêntica carcaça do que tinha sido um esbelto navio.

    ResponderEliminar
  5. Meus Caros, à atenção do nosso Amigo e Colaborador, Munaia, investigador dos navios naufragados em Cabo Verde. "Em 1905, a Empresa Nacional de Navegação adquiriu o vapor Açor à Empresa Insulana de Navegação. O paquete teve o seu nome mudado para Guiné. Tinha dois mastros e uma chaminé, não muito grande, e era movido por uma hélice. Como todos os barcos desta empresa, passou a usar o casco pintado de cinzento e a chaminé de preto. Manteve-se na carreira onze anos; em 28 de Maio de 1916, terminou a sua existência naufragando no baixo de Rui Pereira, na ilha do Fogo".
    In Blogue “Luís Graça e Camaradas” -Guiné 63/74 - P13937: Notas de leitura (653): “Navios com o nome Guiné”, da autoria do Capitão-de-Mar-e-Guerra Carlos Gomes de Amorim Loureiro (Mário Beja Santos). 24/11/2014.
    Abraços, Manuel Amante

    ResponderEliminar
  6. De seu a seu dono, como sói dizer-se (!). A foto do n/m Corubal é de autoria de um casal de brasileiros que viveu em Bolama, em 1978-79. Eram voluntários das Nações Unidas. Professores do Jardim Escola e da Escola Piloto do PAIGC,

    ResponderEliminar