terça-feira, 22 de novembro de 2016

[2720] Uma má e muito triste notícia: demasiados cabo-verdianos vivem em pobreza absoluta

Ver AQUI

3 comentários:

  1. "... até quando essas massas empobrecidas e exploradas ficarão passivas perante uma exibição pornográfica de riqueza de uma faixa considerável da população ou seja, duma classe enriquecida."
    Eis a questão !!!
    Mas o mais revoltante é a apatia dos podiam ser os defensores dos pobres. Não se pede Capitães Ambrôsios ou Madres Teresa mas, que diabo, os Edis, os Deputados, os Voluntários, por onde andam?

    ResponderEliminar
  2. A cidadã de nome Clara Medina comentou assim no jornal AQUI referenciado:

    "A pergunta é até quando essas massas empobrecidas e exploradas ficarão passivas perante uma exibição pornografica de riqueza de uma faixa considerável da população ou seja, duma classe enriquecida, está claro que nem todos, de dia para noite. Eles, a maioria, não herdaram dos seus pais e nem tão pouco trabalharam arduamente, especialmente uma classe política ou indivíduos gravitando à volta dos partidos políticos e instituições governamentais. Creio que, até agora e publicamente apenas Onesimo Silveira teve a coragem de abordar este tema tabu que é uma possível Primavera Crioula, uma analogia histórica à Primavera Árabe, no seu último livro, "Uma vida, um mar de histórias."Essas elites, que perderam todo o pudor, gananciosos, sem nenhum espírito de solidariedade, cada vez mais preocupadas em enriquecer e exibir, repito uma vez mais, pornograficamente, a sua riqueza continuam indiferentes à pobreza que alastra a passos largos na nossa sociedade e pode ser que um dia esses desprotegidos despertarão dessa aparente apatia e letargia e exigirão, a bem ou a mal, o que lhes foi negado ou seja roubado.A história contemporânea está cheia de exemplos que infelizmente e teimosamente continuamos a negar e a desconhecer com todas as suas consequências. Ê simplesmente uma ingenuidade, uma crassa ignorância, continuarmos a pensar que nós somos uma excepção. E depois, quem sabe, talvez será muito tarde " não nos venham dizer que não vos avisamos!"

    Assino por baixo. Custa crer que a independência de Cabo Verde tenha servido para criar uma classe de gente rica e que exibe despudoradamente a sua abastança perante os famintos. Gente rica que não se fez por suas próprias mãos mas pelos favores do Estado. Isto é que revolta e dói.
    Não me admiro que surja um dia destes uma "primavera" qualquer.

    ResponderEliminar
  3. O paraddoxo da independência é o aprofundamento da desigualdade social e das desigualdades territorias. Soberba 'caiu na regoç' dos revolucionários. Todos criticavam que a elite mindelense vivia bem demais e que o resto de CV passava fome .Afinal Empobreceram SV e o restantes ilhas continuaram paisagem.E agora ?

    ResponderEliminar