domingo, 29 de janeiro de 2017

[2834] Era de facto o emblema da Fábrica Favorita, da família Matos, em Chã de Cemitério


Era realmente a senhora que surge no emblema da Fábrica dos Matos, que obtivemos a partir de um envelope enviado do Mindelo para Livorno, Itália, em 30 de Julho de 1937 e ali chegado em 24 de Agosto de 1937. Os dizeres "Fábrica Favorita" e "Bolachas, biscoitos, dropes e cafés" são apetitosos e a posse de "José de Matos, Lda." e "São Vicente de Cabo Verde" não deixam dúvidas. Grandes tempos, de uma empresa de categoria que terminou os seus dias recentemente. As legendas da parte inferior foram riscadas na origem, por motivos que desconhecemos. Repare-se que a senhora segura uma lata de folha de flandres cheia de bolachas, com um desenho em que se vê a mesma imagem, num artifício visual que tende para o infinito, repetindo-se sucessivamente o mesmo motivo.

Não têm desculpa o Valdemar, vizinho do pé da porta, nem a Ondina que deve ter comido muita bolachinha desta fábrica, a seco ou molhada no leite ou no café. Falou de chá mas eram bolachas (aliás, fartei-me de enviar "braças redondos" aos quais ninguém ligou). Quanto ao Adriano, não há quem o segure... Lá como ele descobriu não sei, mas isso não interessa nada pois nos concursos do Pd'B vale tudo, menos tirar olhos.


4 comentários:

  1. Para te dizer a verdade, Djack, nem eu sei como descobri. Essa imagem estava guardada num cantinho recôndito da minha mente, e isso desde há mais de sessenta anos. Mas claro que ela se tinha desvanecido completamente, perdendo-se entre os infinitos registos de memória que só têm significado enquanto realizam a sua finalidade. Normalmente, desaparecem para libertar espaço para o mais importante do disco rígido. Ora, olhei para a figura e o que me veio à mente foi o meu pai, porque habitualmente levava-nos, a mim e aos meus irmãos, ainda muito criancinhas, essas latas de bolachas. Portanto, a recordação do meu pai foi o agente catalisador desta descoberta. A verdade é que já não me lembrava de que essas bolachas eram acondicionadas em caixas de folha. Mas bastou o efeito visual.De facto, a nossa mente é um enigma.

    ResponderEliminar
  2. As felicitações ao nosso campeão em palmarés! Sim senhor! Bem merecido!

    ResponderEliminar
  3. Ê deveras incrivel o que diz o Djack. Ê como a lotaria; não jogo porque nunca ganho. Tive a intuição de dizer "essa menina tem cara de bolacha" e nada fiz. Estive quase a ganhar qualquer coisa.

    ResponderEliminar
  4. Eu e o Adriano fomos colegas dos filhos do Manuel Matos (Zeca, Cochicha e Nita=) na escola do Ti Fefa. E traziam sempre auelas bolachas para oferecer os colegas. E ainda fomos da escola primaira da Chã de Cemitério ao lado da Fabrica Fa vorita. E tivemos também um filho do Além Matos, o Zeca matos, que vive em Setubal, como colega no Liceu. Essas bolachas marcaram a nossa infância e continuam a ser o modelo da bolacha caboverdiana que me pede as minhas filhas e os meus netos.

    ResponderEliminar