segunda-feira, 24 de abril de 2017

[2937] Eis o que pensava um "pseudo-colonial" (sic) em Lisboa, em Abril de 1912, que se devia fazer em São Vicente de Cabo Verde


4 comentários:

  1. Mais uma vez se vê que a ilha e o seu Porto eram objecto de especial atenção no contexto do território. Pena é não se terem concretizado muitas ideias que poderiam ter garantido à ilha um futuro melhor.

    ResponderEliminar
  2. E disse o pseudo colonial:

    ." Dizemos relativo, porque ao desenvolvimento agrícola opor-se-há tenazmente a constituição geológica do seu solo"
    ......
    HIDROGRAFIA

    Hidrogràficamente, é a ilha de S. Vicente constituída por numerosas ribeiras que definem várias bacias mais importantes, e por dois grandes vales que, partindo do Porto Grande, se estendem até à planície de Viana e à Baía de S. Pedro.
    Segundo Immanuel Friedlaender, na sua monografia sobre as ilhas de Cabo Verde, " apesar da ilha estar desarborizada, as três cadeias de montanhas do Monte Verde, Madeiral e Tôpo de Caixa, embora sem receberem propriamente grandes chuvas, condensaram uma considerável massa de água. Na vertente N. do Madeiral, encontram-se algumas nascentes de boa água, canalizada há muito para a cidade. A massa de água assim explorada é de 60 m3 por dia. Uma quantidade muito maior corre, porém, para o norte; e outra, não menor corre ainda em toalha subterrânea, nos pequenos vales do sul.
    da água que corre para o norte, uma pequena quantidade é hoje elevada por moinhos de vento e assim se tornaram por iniciativa particular alguns soberbos oásis, sobretudo na Ribeira do Julião.

    Nos vales do sul do Monte Verde, apareceu agora numa camada de tufo impermeável e já em parte explorada em duas propriedades...."
    Os vales do nordeste do Monte Verde têm, sem dúvida, uma quantidade muito considerável de água subterrânea. Isto é fatal, porque os ventos dominantes vêm principalmente do NE., e por outro lado, as camadas, se exceptuarmos as poucas e insignificantes nascentes da Salamansa.
    O mesmo se aplica, aproximadamente, às nascentes da cadeia do Monte Cara. Ali se deverá encontrar a melhor água e com mais abundância, nos vales do NW., de difícil acessos"..." Além disto, formando as águas subterrâneas lençóis a pequenas profundidades, são de fácil captação por meio de poços, nos leitos de todas as ribeiras que descem para a parte central da Ilha, principalmente.
    ..." Construir reservatórios para irrigações agrícolas e arranjar locais separados para fornecimentos da água de beber para homens e para os gados. As condições sanitárias ganhariam extraordináriamente com tal medida e os lucros obtidos pela agricultura amortizariam em curto razo as despesas feitas "

    Alberto Atílio Leite
    Professor do Liceu Infante D. Henrique ( 1929)

    ResponderEliminar
  3. Saudo a volta dessa Praia que tanta falta nos fazia. Lamento no entanto a preguicite (ou falta de consideração) dos que passam e não dão um simples "bos-hora", a tradicional saudação antiga para qualquer hora, que desapareceu como muitos actos, factos e gentes que teimam em não dar sinal de vida e contribuem para a morte lenta do que foi a ilha do Porto Grande.
    Que Deus nos acuda e que nos dê coragem para remar nos Botes da Praia.
    Braças e mantenhas

    ResponderEliminar
  4. Iston é prova da reconhecida posição geostratégica de S. Vicente. Cabo Verde foi redescoberto no século XX graças à importância do Porto Grande.

    ResponderEliminar