domingo, 21 de maio de 2017

[2972] Era final de 1914, a guerra estava em andamento e em Portugal a coisa funcionava assim...




3 comentários:

  1. Essas tais peças, se fossemos outra terra, hoje seriam peças de museu. Mas como Cabo Verde - é sabido - a politica é de "tude pa tchom", não sei.

    ResponderEliminar
  2. As peças de artilharia de costa que seriam mais tarde instaladas em João Ribeiro (posição de uma bateria) foram retiradas de navios de guerra.

    ResponderEliminar
  3. as baterias de J Ribeiro e M Branco foram entretanto substituidas na 2ª GG. Em Novembro do ano passado visitei o que resta dessas baterias, consumidas pela ferrugem e actos de vandalismo (no caso de J Ribeiro), mas pior ainda, simplesmente ignorados enquanto ponto de interesse historico. Em J Ribeiro existem ainda as fortificaçoes, alguns ainda recuperáveis, é só limpar praticamente. O Instituto universitario M_EIA está a preparar um documentario sobre o patrimonio subaquatico em que se fala das peças, isso ligado ao centenario do torpedeamento de Acary e Guahyba.

    ResponderEliminar