sexta-feira, 7 de julho de 2017

[3054] Comemorações dos 70 anos da 1.ª edição de "Chiquinho" de Baltasar Lopes, em Almada



Confirmadas as datas das comemorações em Almada (Portugal) dos 70 anos do lançamento da 1.ª edição em livro de "Chiquinho", de Baltasar Lopes, talvez a obra mais conhecida de toda a literatura cabo-verdiana. 

É sabido que os primeiros excertos conhecidos do romance saíram em Março de 1936, na revista "Claridade" n.º 1 (duas páginas e meia, sob o título "Bibia, excerto do romance inédito 'Chiquinho'") e depois no n.º 3, de Março de 1937 (três páginas, intituladas "Infância"), mas o livro só foi publicado em Outubro de 1947, em Lisboa.

Pretendendo comemorar a data em Portugal, mais precisamente em Almada, terra de acolhimento de muitos cabo-verdianos, o administrador deste blogue, juntamente com o poeta e jornalista Fernando Fitas e a professora Dina Dourado propuseram em altura oportuna esta actividade à Câmara Municipal de Almada que desde logo a abraçou, o mesmo tendo acontecido com a Embaixada de Cabo Verde em Lisboa. Lembremos que já assim tinha acontecido com as bem sucedidas comemorações relacionadas com Jorge Barbosa, em Junho de 2013 e aqui relatadas.

Estamos portanto em condições de informar que as comemorações se desenrolarão entre 2 e 16 de Dezembro próximo, em Almada, em princípio no Forum Cultural Romeu Correia. Em ambos os dias haverá palestras relacionadas com Baltasar Lopes e a "Claridade", bem como uma exposição de 40 livros "claridosos" que decorrerá durante as duas semanas. Pormenores serão fornecidos, logo que possível.

2 comentários:

  1. Excelente notícia. Todos os cabo-verdianos têm de saudar o grande "cabo-verdiano" Joaquim Saial por esta grande iniciativa que se deve à sua incansável militância a favor da Cabo Verde, sobretudo da sua história e da sua cultura, de que tem sido um obreiro incansável.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que interessa é chamar a atenção para a notável obra dele e a não menos importante dos seus "compadres" claridosos. Todos eles foram cabo-verdianos e portugueses e hoje são lusófonos. Logo...!

      Espero ver-te em Dezembro, em Almada, no mesmo local onde juntos vimos e ouvimos a Nancy Vieira.

      Braça d'ratchá osse... claridose,
      Djack

      Eliminar