sexta-feira, 21 de julho de 2017

[3073] Manuel Ferreira e o "Senhor das Areias"

Um vez por outra, temos falado aqui desse imponente e molengão veleiro chamado "Senhor das Areias", conhecido de todos nós, os que por aparecemos e conversamos no Pd'B. Como amanhã é dia de homenagem a Manuel Ferreira nas Caldas da Rainha, respescámos de "Hora di Bai" um saboroso e elucidativo excerto que fala do dito, a abrir o capítulo 27:


"Aí vai, de novo, o Senhor das Areias.

Reparado, pintadinho, aí vai ele, pesado, tosco, ronceiro mas seguro. Dono de si, dominando com o mesma à-vontade e a mesma tranquilidade as mansas ou revoltas águas do oceano.

Era feio, era antigo, era desajeitado, Construído, no entanto, para suportar o embate de tempestades e a dura aventura de, regularmente, estabelecer o elo social e económico entre as populações solitárias daquelas dez ilhas que nele viam um amigo, um companheiro de esperança. Era inestético, trangalhadanças, ronceiro, mas funcional."

3 comentários:

  1. "Era feio, era antigo, era desajeitado" e era também conhecido por "Pé-de-chumbo". Ia de vagar para poder chegar. Sempre. Todos gozavam à moda da terra mas era querido.
    Duas figuras ligadas ao velero sobressaiam: Pedro Afonso, telegrafista representante do armador, criador da Ràdio Clube Mindelo e o Capitão, boavistense de quatro costados, um dos protagonistas da célebre coladeira de TiGoi "capacete de cinquenta one".
    Era diaza mas, para nôs, é para sempre.
    V/

    P.S. - Que a homenagem ao escritor Manuel Ferreira tenha o êxito que merece.

    ResponderEliminar
  2. De vez em quando surge motivo para se falar aqui do Senhor das Areias, esse mastadonte que o Manuel Ferreira descreveu com palavras certas no seu romance.
    Desconhecia que o Pedro Afonso tivesse sido o criador da Rádio Clube Mindelo.

    ResponderEliminar