domingo, 29 de abril de 2018

[3744] Coitado do António Cândido Ferreira: alguém andava a roubar o vencimento do patrão-mor de São Vicente, por volta de 1858...

...mas a marosca chegou aos ouvidos do Rei e do seu ministro Sá da Bandeira.

Acerca deste patrão-mor, podemos ainda informar que foi nomeado em Abril de 1851 para o policiamento  do Porto Grande, conforme se pode ler no Boletim Oficial 63/1851, Portaria de 25 de Abril de 1851, citado por Francisca Gomes Pires, na sua recente dissertação para tese de mestrado "O Porto Grande e a Urbe Mindelense na Aurora da Contemporaneidade (1850-1914)", apresentada à Universidade Nova de Lisboa.

Pergunta o nosso colaborador e comentador encartado Adriano Lima, qual seria a equivalência ao euro destes 72$000 réis. Não consigo fazer a correspondência, mas sei quanto ganhava um patrão-mor em Agosto de 1962, como se pode ver pelo excerto da carta que um elemento da Armada que fazia serviço na Capitania e era seu amigo escreveu ao patrão-mor que estava para chegar a São Vicente e deteve o cargo nos anos de meados/finais de 1962 a final de 1965, pouco mais de um século após este episódio triste de desvio do ordenado do António Cândido Ferreira. Note-se que o patrão-mor dos anos 60 era de início segundo-sargento recente, promovido algum tempo depois a primeiro. Refira-se ainda que o cargo só podia ser preenchido por sargentos da especialidade de Manobra. Eis, então:

E sabem para que era o petróleo? Para os fogareiros Hipólito e para o frigorífico, pois claro...

3 comentários:

  1. Djack, filhos da mãe! E a Justiça não agiu para punir o prevaricador? Eu só gostaria de saber o que esses 72$000 representariam hoje.

    ResponderEliminar
  2. Djack, pela informação que dás, concluo que o vencimento não era nada mau, tendo em conta a média do poder de compra à época.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escapava, superior ao auferido na Metrópole, mas a responsabilidade estendia-se pelas 24 horas do dia, pois havia sempre algo a suceder. E estendia-se a toda a ilha. De um modo ou de outro, os acontecimentos acabavam sempre por ter a ver algo com a Capitania. O trabalho ali (em terra) era muito mais complexo que o de um sargento a bordo. Daí, um pouco mais de escudos.

      Braça económico,
      Djack

      Eliminar