segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

[4018] As (antigas e cortadas) escadas da Capitania dos Portos / Torre de Belém (ver post 4012)

O Zeca Soares já nos deu explicações acertadas sobre este corte em post anterior. Mas fica de qualquer modo a pena com a desaparição das escadas primitivas do edifício. Nos verde anos, era matemático depois do jantar ir ali sentar-me a ouvir o meu rádio Philco de 9 transistores, ao mesmo tempo que olhava para o céu estrelado. Passava um ou outro pliça que ia para a staçom, passava um ou outro operário que ia para a Shell assegurar novo turno e às 9 horas, era a vez das mulheres que transportavam o esgoto aéreo para o caizim. Também por ali aparecia quase sempre o marinheiro de serviço nocturno que em vez de ficar isolado no pátio ou na caserna vinha dar dois dedos de conversa para a rua, comigo ou com pescadores que iam e vinham para ou do mar (o que às vezes resultava numa ida rápida ao botequim do Faustino ou da Luz para emborcar um groguim sabe).  De facto, era muito bom ficar sentado no calor da noite mindelense naqueles degraus que desapareceram para dar lugar a esqueléticas escadinhas. Afinal, eles foram também um pouco da minha vida...

A Capitania dos Portos, ainda com a escadaria original.
2010, visita de Cavaco Silva ao Mindelo, Foto Djibla

5 comentários:

  1. Uma memória de um "Elefante". Já lá vão mais de cinquenta anos

    ResponderEliminar
  2. Mindelo só pode agradecer a Portugal pelo restauro deste grande Património. Há 2 anos estive lá e acho que está sub-aproveitado tendo em conta o seu potencial, ser um grande museu do mas da ilha. Minha opinião

    ResponderEliminar
  3. José,
    Sub aproveitado sabes porquê. Como dizes, e bem, devemos agradecer a Portugal porque senão a pequena Torre estaria como està o Fortim.
    Conheci este edificio por volta de 1945 por ali trabalhar o meu padrinho, Manuel Vicente Rodrigues e, como todos, lamento terem retirada a escadaria de entrada. Mas... và là que ainda se encontra de pé e estimadinha.

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que o interesse no restauro é reciproco. É um Património português em Mindelo. Foi um gesto nobre de quem pode mais. Nada mais do que isso.

    ResponderEliminar
  5. Sem o querer, o Dajck fez o retrato sociológico do lugar. E transportou-nos a todos para aqueles tempos. Sim, tenho a ideia de que as escadas originais eram mais amplas. Não havia necessidade de alterar...

    ResponderEliminar