quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

[4044] Trabói, trabói, tonte trabói

Tal como a imagem do post anterior, esta também é de 1949 e igualmente de um postal mandado fazer em Lisboa pelo Café Royal. Mulheres, em grupos de duas, carregam sacos (de carvão?) à cabeça, Rua de Lisboa acima, vindas lá dos lados do cais da Alfândega. Tempos difíceis, muito difíceis.


6 comentários:

  1. Amigos:
    Esses sacos (100 kgs) eram de milho ou de açucar escuro e o transporte que se vê é do cais da Alfândega aos armazéns do grossistas.
    O carvão, vendido pela C° Nacional ou pela Miller's, era transportado em latas de 20 litros como a que se vê no poste anterior e depois vendido aos montinhos de 5 ou 10 tstom.
    Temos também a linha. Lembro-me de uma célebre vendedeira boavistense - Nha Gadjome - na Rua do Côco.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OPS:-

      Não é "linha" mas é LENHA que vinha, na maior parte das vezes da Boavista.

      Eliminar
  2. Quem sabe, sabe!...

    Braça alfandegária,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Ouvi falar desta senhora Nha Gadjome - na Rua do Côco, mas não a conheci, também figura típica do Mindelo before

    ResponderEliminar
  4. Mnis, quando estive em S. Vicente em 2003, ouvi contar que nha Gadjone alugava o toucinho para dar gosto à cachupa da pobreza. Ou seja, o mesmo toucinho passava por várias panelas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certo, Didi !!!
      As cianças iam levar o recado: - "Mamãe dzê pa bocê impréstà-l bocê tucim". (Depois de uma ou duas passagens jà não devia ser tucim mas... tu não).
      Pode ser uma das muitas anedotas tipicas que definem o espirito mindelense mas ouvir isso era corrente.

      Eliminar