quinta-feira, 5 de julho de 2012

[0200] 5.JULHO.1975 - 5.JULHO.2012

Nesta data em que colocamos o post n.º 200 e em que simultaneamente se comemora mais um aniversário da independência de Cabo Verde, deixamos no PRAIA DE BOTE uma memória (que alguns já conhecerão mas desejarão relembrar) dos dois primeiros dias do novo país que tanto amamos. Clicando no final do filme, é possível ver outros (dois deles alusivos aos cabo-verdianos nos EUA), entre os quais um com Amílcar Cabral.

Aproveitamos a ocasião para desejar a todos os cabo-verdianos, nas ilhas e na diáspora, as maiores felicidades e a continuação de uma caminhada segura rumo a um tempo de paz e progresso.

4 comentários:

  1. Reconheci algumas caras que me gelaram a memória...Sempre pensei que a dor estivesse mais fundo...Perdoe-me mas mo filme da minha euforia tem outros intérpretes

    ResponderEliminar
  2. A vida é mesmo assim. Os ventos da História por vezes são cruéis. É que a evolução humana nem sempre vai pelas linhas mais direitas. Por isso, há que beber um bom gin tonic nesses momentos, como se o Café Royal ainda fosse o mesmo, respirar fundo e seguir em frente.

    Braça
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Bom dia Sr. Saial e toda a equipe que compõe "o genuíno coração de Mindelo" !

    O mes de Julho também é o nosso mes, pois foi no dia 2 que raiou a liberdade para o estado da Bahia, Brasil.
    Parabenizo ao senhor, seus colaboradores, e, principalmente ao povo de Cabo Verde que, no dia 5 aniversariou, comemorou o ápice da alegria para uma terra: a Independência. Junto com o Monte Cara, a Praia do Bote, o Por do Sol, os Desertos e tantas fotos belas vi desse lugar. reuno desejos de boa sorte, mais conquistas, pas e luz nas realizações de outros sonhos acalentados.
    Com admiração pelas matérias postadas também,
    Yara Lima Oliveira

    ResponderEliminar
  4. Muito obrigado, Yara, pela simpatia das palavras. Nós, portugueses, cabo-verdianos e brasileiros temos tantas coisas em comum que é quase impossível não gostarmos uns dos outros. Digamos que os nossos genes nos condenaram a sermos amigos. E ainda bem.

    Grande abraço de Portugal,
    Djack

    ResponderEliminar