domingo, 10 de março de 2013

[0389] Ainda na morte do grande Malaquias Costa

Malaquias e o Eden-Park, juntos num dos filmes mais tristes que o PRAIA DE BOTE já viu sobre São Vicente e o Mindelo. Uma verdadeira dor de alma e de revolta. Atente-se no entanto na notável qualidade e poesia da peça. Agradece-se ao amigo Valdemar Pereira a simpatia da indicação... Para ver, clique na imagem.



6 comentários:

  1. Ainda bem que vim espreitar a praia, antes de cometer um erro de duplicação e publicar no arroz este vídeo que, na crua realidade da mostruosidade que é o abandono do Edem-Park é a melhor homenagem póstuma que se pode fazer ao grande Malaquias...
    Bem hajas, Val!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Zito,
      Penso que não seria nenhum sacrilégio este erro de duplicidade.
      Se te posso fazer um pedido é este de, também, homenagear os dois gigantes.
      Força, Zito !!!

      Eliminar
    2. OK, Val...Registei e, já agora, as m/ homenagens à Belinha e ao autor do vídeo, comovente,trágico e realista...A ideia é belíssima, o conjunto imagem/som, perfeito e a qualidade dos enquadramnentos, iluminados a preceito atingem o limite do paradoxo da historia que nos é contada: a criação na arte de Malaquias, a destruição, no abandono do Eden...Parabéns!

      Eliminar
  2. Este crime indizível ficará como uma das medalhas negras dos que tinham responsabilidades nacionais e locais nessa altura. É que a História não perdoa!... De facto, quem deixou morrer os dois grandes cinemas da nossa infância, juventude e vida adulta, nunca será perdoado.

    Braça saudosa,
    Djack

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quero que fique registado que foi Isabel Marques da Silva (Belinha de Djosa Marques) quem me facultou o filme de homenagem ao Malaquias Costa e, ao mesmo tempo, o Cinema Eden Park.

      Que o Malaquias repouse na Paz de Deus e que o cinema fique minando a consciência dos responsàveis do seu desaparecimento.

      Eliminar
  3. Só agora intervenho porque tinha um malware a importunar-me o acesso ao video, conforme expliquei ao Djack em devido tempo. Ver isto causa-me uma tristeza imensa e indescritível, como se parte de mim morresse de morte psicológica matada e sem esperança de ressurreição. Soa a um requiem de uma finíssima tristeza, em que no mesmo palco se despedem para sempre pedaços da nossa alma: o cinema e o velho violinista, enlaçados numa mesma nostalgia que irradia para todos os mindelenses que ainda têm coração.

    ResponderEliminar