sexta-feira, 25 de outubro de 2013

[0605] Missão de estudo, económica e científica, parte de Lisboa para Cabo Verde... em Novembro de 1959

Este post é dedicado ao nosso colaborador José Fortes Lopes. Ele que explique os motivos da "honra" que lhe concedemos... De qualquer modo, AQUI vai uma ajuda para a compreensão da coisa, a partir do nome do Dr. Fernando Correia da Costa.


O paquete "Vera Cruz"

5 comentários:

  1. Obrigado DJack por este post pois para além desta missão ter a minha idade, mais dia menos dia (sou de Outubro), o assunto que a levou a CV é daqueles assuntos que me preocupam sobremaneira, o melhor aproveitamento dos recursos locais. Contrariamente aquilo que se diz, a Metrópole manifestava preocupações em relação à problemática da sustentabilidade da economia cabo-verdiana, debilitada pela insularidade, a sua situação ultra-periférica e pela pobreza endémica ou congenital do arquipélago. Passados mais de 50 anos desta expedição muitos dos problemas que os investigadores se confrontaram, persistem hoje, somente, talvez, tomaram hoje, outra dimensão, mais ampla.

    ResponderEliminar
  2. E o Adriano também tem algo a dizer sobre isto. Aliás, este post vem na sequência de um de há dias. Reparemos na frase "em colaboração com o Governo daquela província"...

    Braça de missão,
    Djack

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O "braça de missão" do Djack, fez-me recordar, ao nivel da deste post, a Missão de Endemias, chefiada pelo Dr, Meira que, segundo me recorso, terá "acabado com as melgas" em Cabo Verde...Lmbram-se!?

      Eliminar
  3. Grande médico muito estimado pelo trabalho que fez em S.Vicente. A sua Missão ajudou-me a livrar da febre "tintida" que me visitou durante algum tempo. Chegava por volta das 16 hs e ficava uma meia hora a ver-me tremer de frio.
    Horrivel !!!

    ResponderEliminar
  4. Joaquim, tenho uma ideia da visita desta equipa. Andava no 5º ano. Tal como diz o José, a sustentabilidade da nossa economia é um problema de sempre, e hoje a nossa preocupação é que ele se resolva um dia, ou pelo menos que se atenue para se poder respirar com mais alívio.

    ResponderEliminar