terça-feira, 29 de outubro de 2013

[0608] Próximo post com submarinos alemães, bombardeamentos, naufrágios, marinheiros salvos e outros não... e, até, com o "Tarrafal" e o "28 de Maio"

Anos 40 do século XX, no mar de Cabo Verde o perigo espreita. Os u-boat alemães rasgam as águas das ilhas e fazem devastadores estragos nas marinhas estrangeiras, preferentemente a inglesa. S. Vicente e Santo Antão, entre outros, são refúgios que irão recolher náufragos salvos das águas do Atlântico. E imagine-se, no caso que estamos a estudar, à custa do velho vapor "Tarrafal"...

Como percebe quem vem com frequência ao Pd'B, estes posts dão bastante trabalho de pesquisa e o que anunciamos é um deles. Enquanto a coisa não está feita e ainda recolhemos alguns beefs em perigo de afogamento, pode ir dando a sua opinião nos posts anteriores...

Neste caso particular, não vale a pena fazer comentários, porque se trata apenas de um anúncio que será apagado quando o citado post der entrada.

2 comentários:

  1. Nos textos aqui publicados sobre as Forças Expedicionárias a Cabo Verde, este assunto foi ventilado. As NT (nossas tropas) patrulhavam os litorais e vigiavam com binóculos. Submarinos alemães chegavam a aproximar-se de S. Antão para o reabastecimento de frescos. Tudo de uma forma pacífica e até pagavam o que levavam. Nunca fizeram mal a ninguém. A história do Joquim de Nhô ed o seu faluchinho abordado por um submarino no meio do canal não sei se será dessa altura (II Guerra Mundial) ou se reporta à I Guerra Mundial. Isso entrou no anedotário popular e os meninos se fartavam de brincar com isso. O Joquim de Nhô, como não sabia falar inglês, metia sempre o "nhô" a seguir a cada palavra. O submarino alemão abasteceu-se de frescos, pagou e foi à sua vida, sem molestar ninguém.

    ResponderEliminar
  2. De tanto "esgrovetà" vão aparecendo, ou melhor vamos lembrando de coisas. Se ouvi falar do Juquim de Nhô, homem de muitas partidas, desconhecia o seu encontro com um Fritz de U-boat em pleno mar. Mas o que garanto ao Didi é que, se (*) os marinheiros da "Jerarquia", que dormiam no barco, foram mandados para terra e substituidos por semples guardas, é que forneciam os submarinos de frescos. O atrevimento deles foi tamanho que o Capitão ia à terra onde o viam sentado nas cadeiras de verga que se encontravam na Casa Serradas.
    V/

    (*) Se não me engano, jà contei isto numa postagem anterior. Desculpem.

    ResponderEliminar