quinta-feira, 28 de novembro de 2013

[0642] Quando o Banco de Cabo Verde comemorou o 6.º aniversário

E assim foi. Criado em 1976, em 1982 o BCV fazia meia dúzia de anos. E pimba, medalhinha, para comemorar. É curiosa a peça, nada ideológica e só laudatória q.b. A direcção do Banco encomendou a peça ao escultor português Domingos Soares Branco e a coisa saiu desenxovalhada e digna de ser vista. Uma figura feminina segura no regaço a alegoria da abundância, habitualmente sugerida por uma cornucópia, aqui substituída por um balaio do qual não saem frutos nem flores mas que contém sugestivos peixes e lagostas. Atrás, o inevitável milho, base da alimentação das ilhas e principal matéria-prima do prato nacional. Acaso ou não, o rosto da figura é tal qual o de D. Tututa...

O reverso, apenas retrata a simbologia alusiva ao BCV, fundida com a do escudo de armas de Cabo Verde da época.

Aqui fica, portanto, mais um exemplar da medalhística cabo-verdiana, praticamente desconhecido do grande público.


2 comentários:

  1. Não sei se a D. Tututa serviu de modelo mas o perfil é mesmo da senhora.
    Grande honra
    Viva a pianista !!!

    ResponderEliminar
  2. Bonita medalha, sem dúvida. Agradeço ao Djack mais esta útil informação. Também me parece que o perfil do rosto é o da dona Tututa.

    ResponderEliminar