domingo, 23 de março de 2014

[0785] Um mistério antigo que agora pode ser desvendado

Ver em tamanho maior, em baixo
O que estamos a ver é um templo inacabado (como me diziam nos idos de 60) e não uma igreja em ruínas, que estava assim tanto na época em que  as tropas expedicionárias permaneceram no Mindelo como ainda nos anos 60 (até pelo menos ao final de 1965) em que a conheci. Situava-se umas dezenas ou poucas centenas de metros à esquerda da grande vivenda atribuída ao Capitão do Porto (havia pelo menos mais uma ou duas iguais ali, acho que uma atribuída ao juíz, etc.), não longe da carreira de tiro. Essas vivendas ainda existiam em 1999, em bom estado, perto do local onde está o busto de José Lopes da Silva.

A foto pode encontrar-se no blogue "História das Transmissões Militares", AQUI, com indicação dos nomes dos intervenientes. Mas desta vez o que interessa mesmo é saber que igreja era aquela e porque não foi concluída. É curioso que em 1999, altura em que não restavam sinais da mesma, perguntei a meio mundo por ela e ninguém me soube dizer nada. Talvez na altura não me tenha sabido explicar mas falava numa velha igreja que existia ali em 1962/65 e nem uma aproximação da parte de ninguém. Seria futuro templo católico (neo-gótico) que não foi possível concluir por falta de dinheiro? Protestante? Nazareno? É um dos mistérios cujo significado persigo há décadas e que agora, descoberta esta excelente foto, os leitores mais velhos poderão desvendar. Fico a aguardar...

Lembro-me muito bem que nesses 60 de boa memória havia lá dentro um burro e uma velhota meio (ou totalmente) louca.



16 comentários:

  1. Se muitos que por aqui passam não fizessem de "invisíveis" deixaria durar a brincadeira pois vejo que o segredo não consta dos arquivos implacáveis de Djack de Cuptania.

    Conheci muito bem esse lugar onde bastas vezes fui brincar com um primo que morava ao lado e também com o então condiscipulo Oswaldo Vitória. Entre outras tentávamos armadilhar pombos que sempre levaram a melhor sobre nôs.

    O que ali se vê nunca foi templo romano, sinagoga, nem deveria ser igreja protestante. Nessa altura ainda não estava a armada nazarena e so se encontrava em S.Vicente ùnicamente a Missão Baptista sob a direcção do sr. Manuel Ramos que dirigia os cultos na Rua Senador Vera Cruz, numa casa ao lado da padaria frente ao Cotê Bazar.

    Esse lugar devia ser a Grande Igreja da Ilha. mas nunca houve verba para o seu acabamento. Se existe algum segredo que o amigo Djack não sabe eu também não sei. Penso que só vasculhando nos arquivos paroquiais da Freguesia de N.S da Luz.
    Ou talvez apareça um mais velho a opinar.

    ResponderEliminar
  2. Digamos que a construção, a ter sido concluída, seria a Sé catedral do Mindelo, ficando a de Nossa Senhora da Luz apena como paroquial. Talvez. Esperemos pelos outros sábios...

    Um obrigado ao sábio das baguettes (aliás, ex-baguettes, agora convertido à escrita... hum!, estou para ver se daqui a uns tempos vamos ter outra sessão ainda melhor que a do anterior livro na AAAESCV. Esse dia foi fenomenal!)

    Braça livresca,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Já agora, que fique claro que de facto não sei nada sobre este templo. O meu arquivo tem milhares de notas mas nem uma sobre esta edificação. A única referência é que me disseram em pequeno que aquilo não eram ruínas mas sim um templo que fora começado mas nunca acabado. Pelo que vejo ali, é uma igreja neo-gótica como muitas que se fizeram nos finais do século XIX e princípio do XX (também se ergueram igrejas, jazigos e edifícios em neo-românico, neo-manuelino e neo-árabe). Estou desejoso de saber algo mais, pois nenhuma publicação que tenho se refere a este exemplar.

    ResponderEliminar

  4. Lembro-me perfeitamente desta igreja em ruínas, pois morava lá perto e era ainda criança. A história que sempre ouvi foi que a obra ficou por acabar. Havia uma fonte (poço) por perto e as lavadeiras iam lá lavar a roupa que estendiam no chão por cima das pedras para secar.
    Fátima Lopes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta versão da Fátima coincide com a minha. Por isso, continuo a não saber para que religião o templo foi edificado (é quase certo que terá sido para a católica, mas...) nem a época em que foi iniciado. Veremos o que nos dizem os restantes sábios. De qualquer modo, agradeço esta entrada.

      Braça inquisitiva,
      Djack

      Eliminar
  5. Desde 1943 que conheço estas ruinas e nem sei se ainda existirão..A história que corria é que se tratava de uma Igreja Matriz Católica inacabada por falkta de verba...Não me parece que, na época em que as obras se terão iniciado (anos 30?) houvesse suficiente abertura ecuménica para permitir templos de outras confissões, que não a católica...A traça era denunciadora de um templo cristão, de qualquer forma.

    ResponderEliminar
  6. 'A nossa amiga Fátima Ramos Lopes que não é anónima nenhuma:

    - Tens razão ao falares da roupa que se lavava ali perto. Não te esqueças que esse lugar (onde lavavam) era o antigo Fonte Cutu,onde estava a Horta de Toi Bintim (que ocupava uma grande superficie) e jà foi aqui falado vàrias vezes. Construiram ali também, além do seu irmão Jom Bintim, funcionários do Telegraph (nomeadamente o Sr. Julio Oliveira).
    Essas "ruínas" que se encontravam numa pequena colina num triângulo entre a dita Fonte Cutu, o Quartel General e o Madeiralzinho, deviam ser a Grande Igreja Católica, ou Sé, ou não sei que mais. A construção começou (e ficou) pelos anos 30, em todo o caso antes de eu ter nascido. Com o alargamento da cidade, hoje é impossível dizer com precisão onde se encontrava.
    De facto, o Zito não pode ignorar a sua existência e admiro-me de não ter ido ali brincar o "stick out" com os meninos da Praca Nova como eu fazia com meu primo e outros.
    Mas o que digo não impede mais informações para a Histôria
    Mantenha (e coraja) para tude gente

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro, eu brinquei por ali de "stick out" e não só,,,

      Eliminar
  7. Lembro-me muito bem desta igreja. Ja a tinha notado quando cheguei a S.Vicente. Ouvi dizer que era uma igreja catolica que nao foi concluida. Porque nao sei. Era um rapazinho e nao aprofundei a questao.

    ResponderEliminar
  8. Naquela altura os meninos diziam que era uma igreja protestante. Terão ouvido isto dos adultos? Mas nessa altura já havia a dos Nazarenos. Estranha-me que a Igreja Católica iniciasse uma igreja e não a acabasse. O mistério reside no facto de ter ficado inacabada. A Câmara deverá ter o registo de tal obra. Uma investigação junto à CMSV poderia resultar. "Se ês ccdi !!!"
    Fátima Lopes

    ResponderEliminar
  9. Lamento chegar atrasado e este interessante assunto, embora nada tenho como contributo. Lembro-me bem dessa igreja inacabada, mas nada sei sobre a sua origem. Tal como a Fátima, ouvia também dizer que era protestante.

    ResponderEliminar
  10. Quando éramos miúdas a minha amiga e colega de escola Dilma Soulé (prima do Adriano), me disse que a avó dela teria contribuído para esta Igreja, se a memória não me falha este contributo tinha a ver com telhas. Não sei se ela ainda se lembra deste episódio. Na altura fiquei convencida de que teria sido a D. Matilde. Talvez a família saiba alguma coisa.
    Fátima Lopes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podem ter sido telhas, de facto. Lembro-me perfeitamente que pelo menos na zona do altar-mor a construção estava coberta, na zona onde se abrigavam o burro e a tal velhota meio louca de que já falei.

      Eliminar
  11. Chegamos a S.Vicernte no inicio do ano 1947 e pouco depois completei sete anos. Foi-me dito que era uma igreja catolica.
    Pela arquitectura da mesma tudo leva a crer que seja mesmo catolica. O protestantismo entrou em S.Vicente mais tarde.

    ResponderEliminar
  12. Protestante é que não; de certeza.
    a) poucos crentes protestantes
    b) o estilo da arquitectura
    c) a sua dimensão
    Os protestantes não enchiam o templo Baptista

    ResponderEliminar