segunda-feira, 19 de maio de 2014

[0878] Contactos culturais entre Cabo Verde e o Brasil, em mais uma "Crónica do Norte Atlântico"







Crónica de Fevereiro.2014

CONTRIBUTOS PARA O ESTUDO DAS RELAÇÕES CULTURAIS ENTRE CABO VERDE E O BRASIL (1/2)


Pode ler-se no carioca Jornal do Brasil de 18 de Janeiro de 1933 um texto de crítica literária demonstrativo do interesse que as coisas cabo-verdianas já despertavam na altura entre a intelectualidade e a imprensa daquele país latino-americano de expressão portuguesa – no caso, associado ao poeta das ilhas, José Lopes da Silva (1). Daí, a nossa crónica desta feita descer do Atlântico Norte ao Sul, em águas de igual gosto lusófono, sentido por irmãos brasileiros, cabo-verdianos e portugueses. Este é o primeiro de dois textos que escrevemos sobre o tema. O segundo figurará no próximo número deste jornal.


José Lopes da Silva, uma paixão pelo Brasil

José Lopes da Silva, c. 1933
O aludido texto, publicado no Rio de Janeiro pelas oficinas gráficas do Jornal do Brasil nesse mesmo ano, reproduzia o discurso de José Lopes da Silva na Câmara Municipal de São Vicente, escrito por ocasião da passagem pela ilha, a 24 de Maio do ano anterior, do cabo-verdiano Martinho Nobre de Melo, então embaixador de Portugal no Brasil, que se dirigia ao Rio (2). Dizia o autor que se tratava de notável peça de oratória que convinha "ser conhecida de todos e principalmente dos que [sabiam] aquilatar da vernaculidade da língua portuguesa, tal [era] a expressão do tribuno erudito que se [revelava], nesse trabalho, um atleta da linguagem castiça, dos grande lances oratórios e do pensamento fecundo." Prosseguia o texto: "O discurso, que ocupa (2…) (3) páginas do folheto recebido é uma saudação ungida de afecto do venerando professor ao Dr. Martinho Nobre de Melo, seu discípulo na adolescência, aferindo as qualidades de carácter e talento do homenageado em todos os postos da sua vida pública, como as dos mais eminentes patrícios." Mais curiosa, pela inclusão de pedido local, era a referência à esposa do embaixador. Afirmando que pelo nome (Alexandra) ela era "defensora do homem", invocava o orador o seu auxílio em favor da mocidade escolar cabo-verdiana. Terminava o trecho com cumprimentos ao também ali presente antigo senador Augusto Vera-Cruz, então cônsul do Brasil em São Vicente. A representação brasileira no arquipélago iria ser detida pouco depois, como veremos, pelo próprio poeta José Lopes da Silva, por morte do senador Vera-Cruz, a 5 de Dezembro desse ano (4).

A 3 de Novembro, Lopes da Silva surge-nos em A Noite (5), outro jornal do Rio, a propósito do livro "Hesperitanas", saído em Lisboa em edição da Livraria J. Rodrigues (6). Chamavam-lhe ali "notável poeta" diziam-no "festejado nos círculos da elite cultural brasileira" e consideravam-no "uma das mais pujantes cerebrações contemporâneas, sendo as suas obras difundidas em vários continentes". A notícia tem erros de impressão mas percebe-se que ali se fala em referências à mãe-pátria e em "hinos calorosos ao Brasil (7) com entusiasmo marcado em versos de doçura e espontaneidade indizíveis." Martinho Nobre de Melo retribuía agora as palavras produzidas pelo seu mestre no Mindelo, prefaciando as "Hesperitanas". Concluía o texto com a seguinte declaração: "Sua obra é de vulto e bem merece o alto conceito em que é tida no julgamento dos expoentes da literatura nas duas pátrias irmãs. 'Hesperitanas' está fazendo um grande sucesso pois os seus poemas instruem, encantam e deliciam."

José Lopes da Silva, c. 1934
A 29 de Outubro de 1934, ainda em A Noite (8), dava-se a conhecer a nomeação do poeta pela chancelaria brasileira para o cargo de vice-cônsul do país em São Vicente de Cabo Verde. E os elogios à sua figura continuavam: "O festejado homem de letras sempre se revelou grande amigo do Brasil, tendo dedicado ao nosso país diversas das lindas páginas do seu recente livro de poesias – 'Hesperitanas' – que teve larga aceitação entre nós." O jornal revelava ainda um aspecto que pode ter tido alguma influência na escolha do poeta para o cargo diplomático: o facto de seu filho, Francisco Lopes, prestigiado oficial da marinha mercante brasileira ser funcionário da Companhia Comércio e Navegação na qual exercia o cargo de administrador da ilha de Caju (9) e chefe dos serviços marítimos.

Esperaremos até Janeiro de 1938 (10) para vermos o poema "Osmologia" (reflexos do poeta inglês Richard Lovelace (11) ) de José Lopes publicado no Jornal do Brasil. Mas no mês seguinte surge em A Noite a notícia da saída do seu ensaio sobre Getúlio Vargas (12). Ali se reafirmava a ligação do poeta cabo-verdiano ao Brasil: "O autor desse opúsculo, que exerce actualmente o cargo de vice-cônsul sempre se revelou sincero amigo do Brasil ao qual está ligado não só por laços espirituais mas também por liames de família pois tem filhos que são cidadãos brasileiros. José Lopes, que é oficial da Academia Francesa e comendador da Ordem de Instrução de Portugal, não perde uma só oportunidade para elogiar o nosso país, como fez, com brilho, nos versos do seu livro 'Hersperitanas'. Seu novo ensaio, agora editado, vem demonstrar mais uma vez a carinhosa atenção que dispensa a quanto se relacione com a vida e o destino do Brasil."


Francisco Lopes da Silva, uma morte imprevista

Francisco Lopes da Silva, c. 1947
Curiosa e ainda elucidativa do interesse dos Lopes da Silva pelo Brasil é a notícia sobre ambos em mais um exemplar de A Noite, de 20 de Fevereiro de 1941 (13). Ao cabeçalho "Dois poetas de Cabo Verde – 'Recordações", de Francisco Lopes e 'Ombres Immortelles' (14), de José Lopes" sucedem-se algumas dezenas de linhas em que se conta que José Lopes enviara para a redacção do jornal uma plaquette com esse título, contendo vinte sonetos em francês, "demonstração do seu completo domínio na língua de Racine". Sombrios, os poemas aludiam a grandes figuras da história e das artes, como Napoleão, Frederico II, Beethoven, Mozart, Bellini, Goethe, Voltaire, Rousseau e outros. Quanto ao livro do filho Francisco, esse era publicado através das oficinas gráficas do Jornal do Brasil. Chamava-se-lhe "herdeiro do talento paterno, um legítimo e inspirado poeta". No mesmo local se contava que era frequente colaborador de jornais cariocas, como articulista cujos escritos sobretudo incidiam em questões de transportes marítimos. Era esta a sua estreia como poeta e a mesma considerada auspiciosa pela crítica que referia haver no livro "excelentes trabalhos que lhe asseguravam uma unidade perfeita". Terá sido no entanto obra única, pois Francisco José Lopes da Silva, português de origem cabo-verdiana mas naturalizado brasileiro, suicidar-se-ia pouco depois (15). Por motivos de intrigas na sua actividade profissional consubstanciadas em invejas de superiores e companheiros, pôs fim à vida na ilha de Caju com um tiro na cabeça. Deixou viúva, quatro filhos… e três cartas de despedida: ao Secretário de Segurança Pública do Estado, ao almoxarifado da companhia onde prestava serviço e à esposa, Leonor. Na primeira, despedia-se do "pai e [de] todos da família de além-mar". Tinha 53 anos, quando foi enterrado a 19 de Junho de 1947 (16). José Lopes sobreviver-lhe-ia 15.

Notas:

[1] José Lopes da Silva (São Nicolau, 1872 – São Vicente, 1962). Entre outras actividades profissionais que desenvolveu, foi professor primário na ilha da Boavista e depois no Mindelo, de Latim, Português, Francês e Inglês no Liceu Infante D. Henrique, antecessor do Liceu Gil Eanes.
[2] Um outro discurso, feito durante o banquete de homenagem ao embaixador, este pelo Dr. João Gomes da Fonseca, teve publicação em São Vicente (ed. Sociedade de Tipografia e Publicidade), também em 1933. Existe, na Biblioteca Nacional de Lisboa.
[3] O cardinal é de difícil leitura, talvez 21 ou 24.
[4] O senador Augusto Vera-Cruz representou os interesses de Cabo Verde no parlamento lisboeta desde 1912 a 1926, quando a ditadura substituiu a I República em Portugal.
[5] P. 2.
[6] Supomos que se tratará da 2.ª edição da obra que teve 1.ª em 1929, pela mesma editora lisboeta.
[7] Por exemplo, o famoso poema "Ao Brasil", escrito anos antes, em 1919.
[8] P. 2.
[9] A ilha situa-se no delta do rio Parnaíba, no estado do Maranhão.
[10] 30.01.1938, p. 7.
[11] Poeta inglês do século XVII.
[12] 09.02.1938, p. 4. Getúlio Vargas (1882-1954) foi Presidente da República do Brasil de 1930 a 1945 e de 1951 a 1954, tendo terminado o seu segundo mandato por suicídio do político.
[13] P. 2.
[14] Ed. J. Rodrigues e Ca., Lisboa, 1940. Existe na Biblioteca Nacional de Lisboa.
[15] Posteriormente à saída deste artigo no Terra Nova verificámos que Francisco Lopes da Silva publicou pelo menos outro livro, "Recordações", Rio de Janeiro, Brasil, 1940, e um pequeno opúsculo, "José Luís de Melo", Rio de Janeiro, Brasil, 1939. A indicação foi-nos dada verbalmente por João Manuel Nobre de Oliveira e depois confirmada no seu monumental livro "A Imprensa Cabo-Verdiana, 1820-1975", ed. Fundação Macau, Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, Macau, 1998. Outro livro seu, de igual interesse, sobre a genealogia das famílias cabo-verdianas, aguarda sponsor/financiamento para publicação.
[16] Ver várias referências na imprensa brasileira desta data e de datas subsequentes próximas.

6 comentários:

  1. Simplesmente IMENSO !!!
    Vou mandar aos meus amigos do Brasil
    Brigade

    ResponderEliminar
  2. Os Lopes da Silva não deixam de ser uma grande família. Diria uma dinastia intelectual cujo expoente máximo foi Baltazar L da Silva

    ResponderEliminar
  3. Outra vez o meu "avô" José Lopes...Que tão bem conheci, como o filho e como o neto...Tinha, na realidade, o Brasil no coração sonhador de poeta de eleição...
    Soube-me bem "revê-lo" nesta crónica que se constitui como valioso documento sobre esta paixão transatlântica do cantor das Hespérides...Obrigado, Djack!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu nome é Marcos Lopes da Silva Miranda, moro no Brasil e recorro aos senhores de forma a obter ajuda para encontrar informações sobre ascendentes de meu bisavô, José Lopes da Silva, a saber, Francisco António Lopes da Silva e sua esposa, tais como local e data de nascimento.

      Agradeço desde já

      Marcos Lopes da Silva Miranda (marcos.ls.miranda@gmail.com)

      Eliminar
  4. E o Baltasar (e todos os da revista Claridade) continuou esta ligação afectivo-intelectual por assim dizer.
    E que saiba foi o único dos membros da Claridade que visitou (pago do seu bolso) o Brasil. Em S. Paulo foi seu cicerrone o meu tio-avô Fileno Pires Ferreira que, nas palavras do Ti Baltas, conhecia a cidade como poucos. Outro parente meu, Francisco Vera-Cruz, que vivia no Rio, era quem lhe enviava do Brasil livros de autores brasileiros.
    Factos poucos conhecidos que fiquei a saber pela boca do próprio.

    João Nobre de Oliveira

    ResponderEliminar
  5. De muito interesse, tudo isto. Li com imenso gosto.

    ResponderEliminar