segunda-feira, 11 de agosto de 2014

[1033] Ovomaltine, para o Adriano e para o Zito

Porque os rapazes acima nomeados são muito esquisitos e acham que só os sabores do passado são bons, aqui vão estas latas de Ovomaltine (d'tempe de diazá), com a simpatia da gerência do blogue, acabadinhas de chegar num vapor inglês, trazidas pelo piloto da Capitania, Tói de Lulu, a nosso pedido - que as transportou na barulhenta vedeta "Spantá Ladrom". E logo duas, uma para cada um, ainda assim não desatem ambos numa cena de boxe na Praia de Bote que tenha de meter cabo-de-mar, patrão-mor ou polícia marítima. Que era o que aconteceria se fosse só uma...



3 comentários:

  1. Obrigado pela deferencia...Reconheço as embalagens, na altura, metálicas...Hoje, claro, são de plástico...Uma dava, perfeitamente, pois somos pessoas educadas e não íamos agora brigar por causa de uma latinha de Ovomaltine, sabendo que existem muitas mais no inesgotável armazem de memórias do PdB...Bom proveito, Adriano!

    ResponderEliminar
  2. Já viram que o Djack está mesmo pirracento? Não entendo é por que se mantém ausente ou sisuda a malta local da rua da Praia.

    Obrigado, Djack, vou à tarde, à hora do lanche, beber um copo desse Ovomaltine com umas bolachas de Matos. Mas não te esqueças de encomendar ao Tói de Lulu uma garrafinha de scotch para mim.

    ResponderEliminar
  3. Ainda não tinha aparecido porque as ofertas tinham dono e tinha de os deixar agradecer.
    Se bem me lembro, o Ovomaltine (ou ove-de-nha-martim) foi importado muito mais tarde pela Casa Serradas e a época era diferente, a bolsa familial era menos recheada.
    Não insisto,
    mas aproveito para saùdar a memôria de Nhô Toi Lulu, pai que foi do meu amigo de infância Moacyr e da cantora Titina Rodrigues. Foi graças a ele que lia regularmente (e antes de chegar às bancas em Portugal) as revistas "O Cruzeiro", "Manchete", "A Cigarra" e uma brochura muito rica, "Brasilogia", que ele recebia de um cabo-verdiano do Rio de Janeiro a quem enviava a casca do choco (o molusco cefalôpodo) que era vendida para canàrios.
    Além de mestre na Capitania, Nhô Toi foi um desportista e (parece-me) dirigente desportivo. De certeza também nunca parava de chupar o seu canhote.

    ResponderEliminar